Publicado em 4/07/2011 as 12:00am

Francesa vai processar ex-diretor do FMI por tentativa de estupro, diz advogado

A jornalista e escritora Tristane Banon, de 31 anos, vai processar Dominique Strauss-Kahn, ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), por tentativa de estupro em 2002, anunciou nesta segunda-feira o advogado David Koubbi em entrevista ao site lexp

A jornalista e escritora Tristane Banon, de 31 anos, vai processar Dominique Strauss-Kahn, ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), por tentativa de estupro em 2002, anunciou nesta segunda-feira o advogado David Koubbi em entrevista ao site lexpress.fr.

"Minha cliente, Tristane Banon, apresentará uma queixa por tentativa de estupro contra Strauss-Kahn. Abrirei o processo nesta terça-feira, dia 5 de julho, na promotoria, que o receberá na quarta-feira pela manhã", afirmou o advogado.

Banon, cuja família é próxima a de Strauss-Kahn, denunciou na televisão francesa em 2007 que o político tinha tentado estuprá-la em 2002, aos 22 anos, e o entrevistava para preparar um livro.

Naquele momento não denunciou os fatos pelos conselhos de sua mãe, mas, após saber da suposta agressão sexual de Strauss-Kahn em Nova York em 14 de maio, o advogado de Banon declarou que não denunciariam Strauss-Kahn para evitar uma "instrumentalização" da Justiça americana.

O socialista Dominique Strauss-Kahn, considerado o grande favorito para a eleição presidencial francesa de 2012, segundo as pesquisas de abril e maio, ficou fora de jogo em 14 de maio, quando uma funcionária do hotel Sofitel de Nova York o denunciou por tentativa de estupro. Poucos dias depois, teve que renunciar a seu cargo de diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Depois de ser condenado à prisão domiciliar, Strauss-Kahn foi libertado sob palavra nesta sexta-feira por um juiz de Manhattan, depois de terem surgido elementos que trouxeram suspeitas à credibilidade do depoimento da suposta vítima de agressão sexual.

Uma notícia que seus principais partidários receberam com alegria. "Foi uma bomba, mas no sentido contrário desta vez", disse o ex-premiê socialista Lionel Jospin (1997-2002), referindo-se à surpresa que sentiu ao saber que seu ex-ministro das Finanças foi preso em 14 de maio por suposta tentativa de estupro.

Seus aliados mostraram-se muito cautelosos quanto à possibilidade de que ele seja absolvido e possa apresentar-se às eleições presidenciais. Mas concordaram que caso ele seja declarado inocente e volte à política, poderá inclinar a balança em favor do Partido Socialista às presidenciais de 2012.

"Sua presença do nosso lado seria decisiva para nosso êxito na eleição presidencial", disse Jack Lang, ex-ministro socialista de Cultura, à televisão BFM.

Strauss-Kahn será "um ator indispensável da vida política nos próximos meses", disse o deputado socialista Jean-Marie Le Guen, próximo ao ex-chefe do FMI, à rádio France Inter.

Apesar da libertação sob palavra, a Justiça americana reteve seu passaporte e esclareceu que o caso por agressão sexual continua aberto. Uma próxima audiência está programada para 18 de julho.

"A acusação não abandona suas demandas, então esperaremos até 18 de julho, data da nova audiência, para conhecer os avanços deste caso", previu Hamon.

Fonte: UOL.COM.BR