Publicado em 19/08/2012 as 12:00am

Chineses destroem carros japoneses em protesto contra o Japão

Uma flotilha japonesa com cerca de 20 barcos atracou neste domingo a um grupo de ilhas disputadas pela China, no mais recente episódio de um impasse crescente entre os dois países sobre o tema.

Uma flotilha japonesa com cerca de 20 barcos atracou neste domingo a um grupo de ilhas disputadas pela China, no mais recente episódio de um impasse crescente entre os dois países sobre o tema.

As ilhas, chamadas de Senkaku pelos japoneses e de Diaoyu pelos chineses, estão localizadas no Mar da China Oriental e não são habitadas. Elas são controladas pelo Japão, mas disputadas pela China e também por Taiwan.

A flotilha levou nacionalistas e legisladores japoneses, que pretendem realizar uma cerimônia em homenagem aos japoneses mortos no local durante a Segunda Guerra Mundial. A China, por sua vez, afirma que o episódio é um golpe contra sua soberania territorial.

Em resposta, mais de cem pessoas protestaram neste domingo diante de um consulado japonês no sul da China, pedindo que os japoneses deixem as ilhas. A Chancelaria chinesa, por sua vez, disse que "qualquer ação unilateral tomada pelo Japão nas ilhas é ilegal e inválida".

Entenda o que está por trás da disputa:

Por que elas são disputadas?

As oito ilhas ocupam um total de 7km² ao noroeste de Taiwan, a leste da China continental e ao sudoeste de Okinawa, no Japão. Sua importância é estratégica: elas ficam próximas a importantes rotas de navios, são abundantes em áreas pesqueiras e possivelmente contêm reservas de petróleo.

O Japão, que controla as ilhas, disse que, ao identificar que elas não eram habitadas, clamou soberania sobre elas em 1895.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Japão abdicou de seu pedido por diversos territórios e ilhas, inclusive Taiwan. Mas, de acordo com um tratado de 1951, as ilhas Senkaku ficaram sob o controle japonês. Tóquio alega que só nos anos 1970, quando começou-se a debater a existência de reservas de petróleo nas ilhas, as autoridades chinesas e japonesas começaram a reclamar soberania sobre o local.

O que diz a China?

Pequim alega que as ilhas Diaoyu são parte de seu território muito antes de pertencer ao Japão, servindo como um importante posto pesqueiro administrado pela província de Taiwan.

Taiwan foi cedida ao Japão pelo Tratado de Shimonoseki, em 1895, após a Guerra Sino-Japonesa. Quando Taiwan foi devolvida à China, no tratado de 1951, a China diz que as ilhas também deveriam ter sido devolvidas.

O impasse sobre as ilhas complica a disputa entre Japão e China sobre o compartilhamento dos recursos energéticos disponíveis no Mar da China Oriental. Também exemplifica a atitude mais proativa que vem sendo adotada pela China quanto à reivindicação de territórios ultramarinos.

Já houve incidentes prévios no local?

Em 1996, um grupo japonês construiu um farol em uma das ilhas. Depois disso, diversos ativistas chineses viajaram ao local em protesto. Em 2004, o Japão prendeu sete desses ativistas assim que eles atracaram.

Também já houve desavenças entre barcos pesqueiros e de patrulha envolvendo japoneses, chineses e taiwaneses. Em 2005, 50 barcos taiwaneses protestaram na região das ilhas, alegando receber tratamento injusto por parte de fiscais japoneses.

Em 2010, o Japão deteve um barco pesqueiro chinês que se chocou com dois barcos de patrulha japoneses nos arredores das ilhas, criando uma séria crise diplomática. Protestos anti-Japão foram realizados em diversas cidades chinesas. O Japão acabou libertando os tripulantes do barco pesqueiro.

Fonte: uol.com.br