Publicado em 2/08/2013 as 12:00am

Unicef: 37.000 o número de crianças congolesas refugiadas em Uganda

Unicef: 37.000 o número de crianças congolesas refugiadas em Uganda

KINSHASA, Kinshasa City, 02 Ago 2013 (AFP) - Mais de 37.000 crianças congolesas se refugiaram em Uganda desde meados de julho, após o
ataque dos rebeldes ugandenses das Forças Aliadas Democráticas-Exército Nacional para a Libertação de Uganda (ADF-NALU) em Kamango (leste da RDC) indicou nesta sexta-feira a Unicef.

"A recente onda de violência perto da cidade de Kamango obrigou mais de 66 mil congoleses, incluindo cerca de 55% de crianças, a buscar refúgio na vizinha Uganda", informou a Unicef em um comunicado, sem mencionar a ADF-NALU.

"Pelo menos 37.037 crianças refugiadas foram registradas pela Cruz Vermelha de Uganda, entre as quais 122 são menores de idade que foram separadas de suas famílias", especificou.

Em meados de julho, o tenente-coronel Olivier Hamuli, porta-voz do Exército da República Democrática do Congo, declarou à AFP que o número de refugiados em Uganda apresentado pela Cruz Vermelha é exagerado. "A região de Kamango é pouco povoada", argumentou.

Em 11 de julho, a ADF-NALU assumiu o controle de Kamango, uma cidade a 80 km da cidade de Beni, na província rica e instável de Kivu do Norte. No dia seguinte ao ataque, o Exército congolês retomou a cidade de Kamango da ADF-NALU.

Vários prédios públicos e hospitais foram saqueados, segundo moradores. Um líder tradicional local indicou que nove pessoas foram mortas durante a ofensiva.

Em Uganda, a Unicef distribui kits escolares de emergência e apoia "a retomada das aulas nas escolas anteriormente utilizadas como habitação pelos refugiados". Também fornece equipamentos de saúde, vacinas e acesso à água, higiene e saneamento.

A agência da ONU estima ser necessário "7,5 milhões de dólares para continuar a sua ajuda humanitária às crianças refugiadas congolesas em Uganda até o final do ano".

A ADF-NALU nasceu em meados dos anos 1990 da união de dois grupos armados que se opõem ao presidente Yoweri Museveni, no poder desde 1986.

Fonte: www.uol.com