Publicado em 3/09/2013 as 12:00am

Sem contato com Itamaraty, mãe de brasileira morta na Itália deve viajar hoje ao país

Sem contato com Itamaraty, mãe de brasileira morta na Itália deve viajar hoje ao país


A mãe de Marília Rodrigues Silva Martins, 29, encontrada morta no escritório onde trabalhava na Itália, afirma não ter recebido nenhuma ligação do Itamaraty ou do Consulado do Brasil em Milão, e diz estar "sem informações" sobre o caso.

"Disseram que haviam me procurado, mas ninguém me procurou", disse.

Natália da Silva afirmou que a filha estava bem e que não havia mencionado possíveis rivalidades com outras pessoas. A mãe da jovem, no entanto, não quis comentar a prisão de Cláudio Grigoletto, ex-namorado da vítima. Ele é dono da empresa onde Marília trabalhava, a Alpi Aviation do Brasil, e considerado principal suspeito do crime.

A mãe da brasileira disse também que pretende embarcar ainda nesta terça-feira (3) para a Itália para acompanhar as investigações do caso. O tio, promotor do Ministério Público Estadual (MPE) em Uberlândia, Fernando Martins, e o pai da jovem viajaram ontem para Milão.

Marília estava grávida de cinco meses e a suspeita é que o empresário seja o pai. Cláudio Grigoletto é casado e tem dois filhos.

O corpo da jovem foi encontrado pelo chefe dela dentro do escritório em que trabalhava, em Gambara, na província de Bréscia, na região norte da Itália, na noite da última sexta-feira (30).

Na manhã desta segunda-feira (2), o resultado da autópsia do corpo de Marília foi divulgado na Itália, e aponta para o assassinato da brasileira.

O Itamaraty foi procurado pelo UOL, mas nenhum representante foi localizado até a publicação desta reportagem.

Fonte: www.uol.com