Publicado em 8/09/2013 as 12:00am

Membros do Congresso dos EUA questionam abordagem da Casa Branca à Síria

Membros do Congresso dos EUA questionam abordagem da Casa Branca à Síria


WASHINGTON, 8 Set (Reuters) - A Casa Branca pressionou neste domingo seu caso para uma ação militar na Síria, mas enfrentou uma luta difícil no Congresso, onde vários conhecidos legisladores disseram que não foram convencidos a aprovar ataques contra as forças do presidente sírio, Bashar de al-Assad.

Com uma votação teste crucial planejada no Senado dos EUA na quarta-feira, o Chefe de Gabinete da Casa Branca, Denis McDonough, percorreu cinco talk shows neste domingo para argumentar que um ataque limitado em resposta à alegada utilização de armas químicas do governo sírio envia uma mensagem de dissuasão aos inimigos regionais.

Mas Mike Rogers, presidente republicano do Comitê de Inteligência da Câmara e um defensor dos ataques, disse que o presidente Barack Obama fez "uma bagunça" em seu argumento para a ação militar para punir Assad.

"Está muito claro que ele perdeu apoio na semana passada ... O presidente não se defendeu", disse Rogers ao programa da rede CBS, "Face the Nation".

O plano de Obama enfrenta resistência significativa dos republicanos e seus colegas democratas no Congresso, com muitos legisladores preocupados que os ataques militares na Síria possam levar a um compromisso prolongado dos EUA e provocar conflitos mais amplos na região.

"Eu estou perguntando onde está o problema de segurança nacional? Não se enganem sobre isso, no momento em que um desses mísseis de cruzeiro aterrisarem lá, estaremos na guerra da Síria," disse a democrata da Califórnia, Loretta Sanchez, no programa da NBC, "Meet the Press".

Michael McCaul, presidente republicano do Comitê de Segurança Interna da Câmara, disse que o plano de Obama foi "irresponsável".

Fonte: www.uol.com