Publicado em 1/10/2013 as 12:00am

Plano pretende baixar 200 mortes diárias de crianças devido à tuberculose

Plano pretende baixar 200 mortes diárias de crianças devido à tuberculose


Um estudo sobre o impacto da tuberculose em crianças indica que é possível evitar as 200 mortes diárias causadas pela doença em menores de 15 anos. O número equivale a 74 mil óbitos por ano.

O "Roteiro para a TB na Infância: Em Direção a Zero Morte", é apoiado por entidades que incluem a Organização Mundial de Saúde, OMS, e o Fundo da ONU para a Infância, Unicef.

HIV

O documento, lançado esta terça-feira, em Washington, estima que US$ 120 milhões anuais poderiam ter um grande impacto para salvar a vida de dezenas de milhares de crianças da doença, além de tratar às infetadas tanto pela TB como pelo vírus HIV.

De acordo com a OMS cerca de um em cada 10 casos de tuberculose no mundo ocorre entre os menores, mas considera-se que o número pode ser ainda maior por haver crianças simplesmente não diagnosticadas.

As entidades indicam que o novo roteiro baseia-se em dados mais recentes sobre a doença, e identifica ações claras para prevenir as mortes infantis.

Africanos

A África do Sul, a Etiópia e a República Democrática do Congo estão entre os sete países que, juntos, representam 64% do fardo global da tuberculose na infância. No grupo, estão também a Índia, a Indonésia, o Paquistão e o Bangladesh.

O estudo destaca a necessidade de organizar formações sobre a doença na infância, além de incorporar uma educação continuada sobre a tuberculose e a coinfecção TB / HIV.

Para África as sugestões incluem que sejam adaptados os método locais ao internacional, a criação de planos e diretrizes nacionais para diagnóstico e tratamento de crianças e que sejam implementadas regras para tratar a doença na infância. As recomendações incluem identificar uma figura que defenda a causa das crianças com a doença.

Pesquisa

A nível global, o roteiro recomenda 10 ações, incluindo que sejam tidas em conta as necessidades das crianças e de adolescentes nas pesquisas e no desenvolvimento de políticas e práticas clínicas sobre a tuberculose.

O documento também adverte que seja melhorada a recolha de dados e as medidas preventivas, e que trabalhadores de saúde tenham formação e materiais de referência sobre a tuberculose infantil.

Fonte: www.uol.com