Publicado em 25/07/2014 as 12:00am

Brasileira vivencia tensão entre Israel e palestinos

A jornalista Shirley Farber foi com a família e pode acompanhar parte deste conflito

Nos últimos dias, o mundo tem acompanhado a intensificação do conflito entre Israelenses e palestinos, na Faixa de Gaza. A brasileira, Shirley Farber não se intimidou e viajou com sua família para Israel no mês de junho e vivenciou durante um mês a tensão rotineira entre os conflitos.

Na primeira semana, Shirley participou de uma conferência para 150 jornalistas de 30 países, organizada pelo próprio governo israelense. Na conferência, um dos temas abordados foi a falta de apuração dos jornalistas, e o parcialismo da mídia que muitas vezes noticiam os ataques feitos aos palestinos.

A violência no país se excedeu quando houve um sequestro, seguido de homicídio de três adolescentes israelenses no mês de junho. Houve uma revolta e muitos israelenses cobraram medidas de segurança do governo. No dia seguinte, um adolescente palestino foi encontrado morto em Jerusalém. “Esses foram casos isolados. O governo não concordou com o contra-ataque e prendeu seis judeus extremistas pelo assassinato do adolescente palestino” afirmou Farber, que não concorda com esse tipo de justiça.

Durante a viagem da família, os ataques ficaram mais frequentes. Shirley que viajava com o filho de nove anos e o marido, teve que se proteger por duas vezes em abrigos contra mísseis. “Nós estávamos passeando por Jerusalém quando ouvimos a sirene. E sabíamos que tínhamos apenas 30 segundo para encontrar um abrigo. As pessoas começaram a correr e nós não sabíamos para onde ir, então começamos a seguir as pessoas. Encontramos o abrigo e ficamos lá por uns 10 minutos. Havia umas 40 pessoas no abrigo” declarou Farber.

Segundo ela, os abrigos eram bem equipados, com chuveiros e banheiros. “É muito estranho vivenciar esse tipo de tensão. Eu percebi que isso era rotina em Israel. As pessoas saem dos abrigos e vão para os cafés da cidade, andam de bicicleta e retomam suas atividades, como se nada tivesse acontecido”.

Apesar dos ataques e da violência, Shirley declarou se sentir mais segura em Israel, do que no Rio de Janeiro. Segundo ela, “As pessoas em Israel são bem tranquilas, confiam no sistema de segurança anti- míssil e acima de tudo, confiam em Deus”.

O turismo em Israel diminuiu na semana dos ataques. “Algumas reservas foram canceladas no hotel em que eu estava hospedada. Mas, encontrei vários turistas, inclusive brasileiros cristãos em excursões” afirmou Farber.

Israel recebe cerca de 3 milhões de turistas por ano, sendo que a metade dos turistas são cristãos. Apesar da tensão da viagem, Shirley planeja organizar excursões para brasileiros para conhecer a Terra Santa. Ela relatou em detalhes sua viagem em sua página do facebook e disponibilizou um diário de viagem com fotos de sua família e locais históricos.- Por Jaqueline G. de Almeida

Fonte: Redação Brazilian Times