Publicado em 21/10/2015 as 12:00am

Vice de Obama encerra suspense e diz que não concorrerá à Presidência dos EUA

O vice-presidente também convocou democratas e republicanos a "acabarem com a política partidária divisionista que está rasgando esse país"

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, confirmou nesta quarta-feira (21) que não irá concorrer à Presidência dos Estados Unidos, abrindo espaço para os dois principais candidatos democratas na disputa, Hillary Clinton e Bernie Sanders.

Biden teve seu nome ligado a uma possível candidatura, que poderia receber apoio do presidente Barack Obama, mas descartou a hipótese.

"Infelizmente, acho que não dá mais tempo para organizar uma campanha vencedora. Mas, mesmo não sendo candidato, não ficarei em silêncio", disse Biden em um anúncio, ao lado de sua mulher, Jill, e de Obama.

Segundo analistas norte-americanos, a ausência de Biden, que vinha como terceiro colocado nas pesquisas dos pré-candidatos democratas, impulsiona a campanha de Hillary, cujo eleitorado poderia migrar para o vice-presidente norte-americano caso ele fosse confirmado oficialmente na disputa.

No anúncio, Biden citou também o filho Beau, que morreu em maio aos 46 anos, vítima de câncer, e disse que ele é uma "inspiração".

Biden também fez uma defesa vigorosa das realizações de Obama e apelou para que democratas e republicanos trabalhem juntos.

"Nossa nação estará cometendo um erro trágico se nos afastarmos ou tentarmos desfazer o legado de Obama. O povo americano trabalhou muito duro e chegamos muito longe para isso", declarou.

"É mesquinho e insignificante e já dura tempo demais", afirmou.

O vice-presidente dos EUA tem 72 anos e já foi duas vezes pré-candidato democrata à Presidência: em 1988 e 2008. Na primeira, desistiu antes das primárias – o escolhido foi Michael Dukakis; na segunda, acabou formando a chapa com o democrata vencedor, Obama, assumindo a vice-presidência no ano seguinte. (Com agências internacionais)

Fonte: uol.com.br