Publicado em 10/11/2015 as 12:00am

Brasileiro avisou que saltaria de cruzeiro no Caribe, afirma polícia da Florida

Autoridades dizem que homem pulou sozinho; ele não foi mais encontrado. Advogado diz que ele teria sido alvo de preconceito; empresa nega

A polícia do condado de Broward, na Flórida, publicou um comunicado nesta segunda-feira (9) afirmando que teve acesso a um vídeo em que o brasileiro Bernardo Garcia Teixeira, de 31 anos, avisou que saltaria do cruzeiro em que viajava com seu parceiro Erik Elbaz no Caribe.

De acordo com a polícia, a segurança do navio atendeu a um chamado por causa de uma briga entre os dois.

"Os detetives de homicídios analisaram evidências das interações com a segurança do navio em que é possível ouvir a vítima declarar que planejava se jogar da embarcação. Na gravação, Garcia Teixeira pode ser visto correndo para o terraço sozinhio. O vídeo também mostra Elbaz correndo atrás de Garcia Teixeira, seguido da equipe de segurança do navio", diz o comunicado.

O brasileiro saltou do sétimo andar e ficou pendurado na estrutura de botes de resgate no quinto andar.  Imagens feitas por uma passageira mostram o momento em que ele se solta e cai no mar.

Teixeira, identificado inicialmente como Bernarno Albaz, era passageiro do navio da Royal Caribbean Cruises, e o acidente aconteceu na última sexta-feira (6). A Guarda Costeira dos Estados Unidos chegou a fazer buscas por ele, mas encerrou os trabalhos no sábado (7) e enviou condolências aos familiares do brasileiro.

O vídeo mostra Bernardo agarrado ao navio, se segurando por uma parte de fora da embarcação. Ao que parece, quando ele pega impulso para tentar subir, acaba caindo no mar. Muitos gritos dos outros passageiros que tentavam ajudá-lo são ouvidos na gravação.

O navio Oasis of the Seas relatou o desaparecimento do passageiro perto da 1h (3h, no horário de Brasília) de sexta-feira, dizendo em um comunicado que membros da tripulação o viram "passar pela lateral do navio intencionalmente".

 

Família fala em preconceito

O advogado da família de Bernardo afirmou que o incidente "não foi suicídio". Segundo Winkleman, o brasileiro, que estava no navio com seu marido, foi alvo de comentários e piadas preconceituosas contra homossexuais feitos por funcionários do cruzeiro. Ele teria ficado nervoso e acabou caindo da sacada da cabine onde estava hospedado, na versão do advogado.

Em comunicado emitido na noite de sábado, a Royal Caribbean assinalou que a equipe do cruzeiro "não teve nenhuma briga física com o passageiro e foi incapaz de prevenir seu salto da varanda do camarote". Segundo a empresa, o incidente ocorreu depois que o brasileiro e seu marido discutiram.

Fonte: Da redação