Publicado em 10/11/2015 as 12:00am

Obama é chamado de 'aliado e herói' em capa de revista gay nos EUA

Ele posou e concedeu entrevista para a 100ª edição da revista 'Out'. Presidente é o primeiro no cargo a ser capa de uma publicação LGBT.

Barack Obama se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos a posar para a capa de uma publicação voltada ao público LGBT. Ele aparece na capa da edição número 100 da revista Out, na qual é chamado de “Aliado. Herói. Ícone”.

Obama também foi entrevistado pelo editor da revista, Aaron Hicklin, e falou sobre sua defesa dos direitos das minorias, inclusive os membros da comunidade LGBT.

Em um texto de introdução, Hicklin lembra que, ao assumir seu primeiro mandato, Obama encontrou um país onde apenas dois estados tinham leis que permitiam o casamento entre pessoas do mesmo gênero, o que hoje é uma realidade em todo o país.

“Não há dúvidas que sem o engajamento ativo do 44º presidente dos EUA, que transformou a garantia dos direitos dos americanos LGBT em parte fundamental de seu legado, ainda estaríamos lutando para realizar esse sonho. Nesse aspecto, entre muitos outros, ele é verdadeiramente um grande americano”, escreve o editor.

Na entrevista, Obama diz que aprendeu com sua mãe a respeitar todas as pessoas e que ele mesmo, por ser negro e ter um nome “engraçado”, era sempre lembrado de como era se sentir “de fora”. “Minha mãe plantou em mim a forte crença de que todas as pessoas têm o mesmo valor”, afirma.

O presidente fala ainda sobre a primeira pessoa gay a deixar uma forte impressão em sua vida, citando a coragem de um de seus professores universitários, Lawrence Goldyn, em não esconder sua orientação sexual e aconselhar lésbicas, gays e transgêneros na universidade Occidental em 1978. “Reconheci Lawrence no ano passado em nossa recepção ao Pride Month, na Casa Branca, e o agradeci pela forma como ele influenciou o que penso sobre muitos assuntos”, conta.

Em outro trecho, Obama fala das filhas, Malia e Sasha, e sobre como a geração delas parece mais preparada para lidar com as questões LGBT. “Para Malia e Sasha e os amigos delas, discriminação de qualquer forma contra qualquer pessoa não faz sentido. Não é compreensível para eles que amigos que são gays ou que pais de amigos que sejam casais do mesmo gênero devam ser tratados diferentes de qualquer outra pessoa. Isso é poderoso”, diz o presidente, que afirma que isso o deixa orgulhoso e esperançoso “como presidente e como pai”.

 

Fonte: globo.com