Publicado em 3/12/2015 as 12:00am

Del Nero e Teixeira serão acusados de crime pelos EUA

Tão importante quanto as prisões no hotel, as acusações a serem anunciadas estão concentradas em pessoas em Zurique

Marco Polo Del Nero e Ricardo Teixeira, presidente e ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, estão envolvidos no escândalo de corrupção que acabou na prisão de Juan Ángel Napout, presidente da Conmebol, e Alfredo Hawit, presidenta da Concacaf. Segundo o jornal The New York Times, os dirigentes brasileiros também serão acusados na coletiva de imprensa que será dada pela Justiça americana nesta quinta-feira.

"Tão importante quanto as prisões no hotel, as acusações a serem anunciadas estão concentradas em pessoas em Zurique. Entre elas, estão novos réus como Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e Marco Polo Del Nero, atual presidente, de acordo com muitas pessoas envolvidas nas acusações", disse o jornal.

Napout e Hawit foram presos em um hotel na manhã desta quinta-feira em um hotel na Suíça, o mesmo que resultou na prisão de sete dirigentes em maio deste ano.

As investigações da polícia americana envolveriam dirigentes da Fifa em casos de extorsão, lavagem de dinheiro e fraude. De acordo com o "New York Times", mais 12 dirigentes serão denunciados: Reynaldo Vasquez (Vice-presidente da Federação de El Salvador), Carlos Chávez (Ex-presidente da Federação boliviana de futebol e tesoureiro da Conmebol), Eduardo Deluca (Federação Argentina), José Luis Meiszner (Federação Argentina e ex-Secretário-Geral da Conmebol), Luis Chiriboga (Federação Equatoriana), Ariel Alvarado (Presidente da Federação Panamenha), Romer Osuna (Presidente da Federação Boliviana), Héctor Trujillo (Secretário-geral da Federação Guatemalteca), Manuel Burga (Ex-presidente da Federação Peruana), Rafael Callejas (Federação Hondurenha), Brayan Jiménez (Presidente da Federação Guatemalteca) e Rafael Salguero (Ex-presidente da federação guatemalteca de futebol e membro do Comitê executivo da Fifa).

A promotoria geral dos Estados Unidos já anunciou uma coletiva de imprensa para a tarde desta quinta-feira em que falará sobre as prisões em Zurique. Loreta Lynch liderará as explicações para os jornalistas. Segundo o jornal americano, a promotora citará os brasileiros no evento.

Del Nero é investigado pelo FBI há meses. Os EUA apuram negociações de contrato da CBF e autorizados por Del Nero com a Traffic, empresa que comercializa eventos esportivos. Proprietário da Traffic, José Hawilla acertou delação premiada com a Justiça norte-americana para evitar prisão em regime fechado nos EUA.

As autoridades avaliam se Del Nero obrigou a Traffic a compartilhar contratos da Copa do Brasil com a Klefer a partir de 2011. A Traffic detinha exclusividade no gerenciamento das transmissões do torneio promovido pela CBF até então. Segundo O Estado de S. Paulo, a Klefer pagaria à CBF R$ 128 milhões para ter direito aos torneios de 2015 a 2022, deixando a Traffic de Hawilla em segundo plano.

Em 27 de maio, Del Nero declarou que os contratos suspeitos e investigados pela Justiça norte-americana foram assinados por ex-presidentes da CBF. Del Nero se refere ao acordo assinado pela CBF com a Nike, além de contratos televisivos. Nos últimos meses, o cartola tem se negado a responder qualquer pergunta sobre supostas irregularidades em sua gestão.

O FBI investiga Ricardo Teixeira e conta com a colaboração de José Hawilla, ex-parceiro comercial de Teixeira. Para não ser preso em regime fechado, J. Hawilla relatou detalhes de esquemas feitos na época em que comandava da Traffic, tendo Teixeira gerindo a CBF.

Em áudio obtido após conversa telefônica entre Hawilla e Marin, foi apurado pela Justiça dos EUA que a Traffic pagava propina de R$ 2 milhões por ano para ter direitos da Copa do Brasil. Em determinado momento, Marin pede para que Teixeira não receba mais parte da propina. O acerto fraudulento também envolveria Marco Polo Del Nero.

Com as duas prisões desta quinta-feira, chega a nove o número de dirigentes detidos na investigação na Fifa. Antes deles, José Maria Marin (regime de prisão domiciliar), Jeffrey Webb, Eugenio Figueredo, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas e Rafael Esquivel tiveram destino semelhante.

Nesta quinta-feira, o FBI fez uma varredura nos escritórios da Imagina/Bein Sports, em Miami. A empresa espanhola é acusada de ter pagado suborno em torneios de alto escalão do futebol da América do Sul e do Norte.

Fonte: uol.com.br