Publicado em 28/01/2016 as 12:00am

Cidade americana demite 6 policiais por morte de 2 negros desarmados

Veículo em que dupla estava foi alvo de 137 disparos dos agentes. Decisão foi 'política', já que policiais não tinham sido considerados culpados.

A cidade de Cleveland, nos Estados Unidos, demitiu seis policiais que participaram em 2012 de uma perseguição que resultou na morte de dois suspeitos afro-americanos, cujo veículo foi alvo de 137 disparos dos agentes, informou nesta terça-feira (27) o principal sindicato de policias da cidade.

Em entrevista coletiva, o presidente da Associação de Agentes de Patrulha da Polícia de Cleveland, Steve Loomis, informou sobre as demissões, que até agora não tinham sido reveladas, e indicou que as mesmas foram uma decisão "política", já que os agentes não tinham sido considerados culpados.

"Isto não é nada mais que política. Tenho toda a confiança do mundo de que eles vão recuperar seus postos de trabalho", afirmou Loomis.

Os agentes estiveram envolvidos nas mortes dos negros Timothy Russell e Malissa Williams, um caso que gerou protestos em Cleveland e que os manifestantes apontaram como mais um exemplo de abuso policial e discriminação contra as minorias por parte das forças de segurança.

No dia 29 de novembro de 2012, vários agentes da Polícia de Cleveland escutaram ruídos procedentes do veículo de Russell, acharam que eram disparos e iniciaram uma perseguição que envolveu mais de 100 agentes, e 13 deles atiraram 137 vezes contra o veículo, segundo a investigação.

Quando o carro que estavam os suspeitos já tinha parado e foi cercado pelos policiais, o agente Michael Brelo se subiu no capô e disparou mais 15 vezes contra os dois cidadãos negros, que estavam desarmados.

Quando os 13 agentes foram levados diante de um júri de acusação, este não viu motivos para indiciá-los, exceto no caso de Brelo, o único que foi julgado e posteriormente absolvido, depois que o juiz considerou que não houve uso de força excessiva.

Brelo está entre os seis agentes demitidos, junto a Wilfredo Díaz, Brian Sabolik, Erin O'Donnell, Michael Farley e Chris Ereg.

"Como podem demitir seis agentes quando um júri de acusação decidiu não indiciar 12 dos 13 policiais e o único que restava, Brelo, foi absolvido pelo juiz?", questionou Loomis.

Os EUA vivem um período de grande tensão entre as forças policiais e as minorias, especialmente a afro-americana, após vários episódios de violência que geraram protestos em nível nacional, como as mortes dos negros Michael Brown, na cidade de Ferguson, Eric Garner, em Nova York, e Freddie Gray, em Baltimore.

 

Fonte: http://g1.globo.com