Publicado em 11/02/2016 as 12:00am

Einstein acertou: cientistas provam que ondas gravitacionais existem

Descoberta, feita cem anos após teoria do físico, é a nova favorita para o Prêmio Nobel

Cem anos depois de Albert Einstein publicar a Teoria da Relatividade geral, uma de suas ideias mais revolucionárias acaba de ser provada. Cientistas anunciaram nesta quinta-feira, dia 11, em Washington, que dados do experimento LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) confirmam que as ondas gravitacionais — capazes de ondular o tecido espaço-tempo — de fato existem.

Em coletiva de imprensa às 10h30 (horário local, o que significa às 13h30 no horário de Brasília), a equipe do LIGO declarou ter descoberto ondulações no espaço-tempo criadas pela colisão de dois buracos negros maciços, de 150 km de diâmetro cada um, acelerando à metade da velocidade da luz. As ondas criadas a partir da fusão dos dois buracos negros viajam a 1,3 bilhão de anos e esticam o espaço em uma direção e o apertam em outra, são como vibrações do tecido do universo que fazem tudo "tremer". Apesar de toda a energia gerada nesse processo, esse fenômeno chega ínfimo à Terra, com cerca de um bilionésimo do diâmetro de um átomo e precisa de instrumentos extremamente precisos para ser detectado — um dos maiores méritos do LIGO.

— Nós detectamos ondas gravitacionais — disse David Reitze, diretor executivo do LIGO, recebendo uma demorada salva de palmas de todos na coletiva. — Elas foram detectadas em 14 de setembro de 2015 e são exatamente o que Einstein previu que aconteceria na colisão de dois buracos negros.

A comunidade científica internacional é unânime em considerar que a descoberta é uma das maiores das últimas décadas e é a favorita para ganhar o próximo Prêmio Nobel. O achado é chamado por alguns de o Santo Graal dos físicos modernos.

Ulrich Sperhake, físico teórico da Universidade de Cambridge que estuda a relação entre ondas gravitacionais e buracos negros, foi taxativo:

— Isto nada mais é senão o início de uma nova era na astronomia observacional gravitacional — pontuou.

Cientistas mundo afora têm se esforçado, ao longo do último século, para obter sinais da existência de ondas gravitacionais, mas seus esforços, até o momento, tinham sido frustrados por falsas evidências e instrumentos que não eram suficientemente sensíveis para detectar as ondas no momento em que chegam à Terra.

O sucesso, enfim, veio com o LIGO, projeto fundado em 1992 nos EUA e dono do mais vultoso patrocínio da Fundação Nacional de Ciência, importante órgão americano. O experimento reúne um grupo internacional de de mil cientistas, oriundos de mais de 40 instituições de 16 países, que trabalham no projeto há 25 anos. Eles têm detectores em Washington e em Louisiana.

ÚLTIMA GRANDE PREVISÃO DE EINSTEIN

Quando Einstein publicou sua Teoria da Relatividade geral, em novembro de 1915, ele mudou para sempre o modo como cientistas veem o universo. A teoria mostrou que a massa é capaz de curvar o espaço-tempo, um efeito que tem uma infinidade de implicações. Uma delas é que a luz de estrelas distantes se dobra em torno do Sol, implicação confirmada por Arthur Eddington durante o eclipse solar de 1919.

A detecção de ondas gravitacionais assinala a última grande predição da relatividade geral. Ela demonstra que as equações elaboradas por Einstein estavam corretas. Mas há mais para se descobrir sobre ondas gravitacionais do que simplesmente provar que elas existem, de acordo com os cientistas. A partir do achado trazido pela equipe do LIGO, novos instrumentos podem ser construídos para ajudar a detectar ondas gravitacionais surgidas após a colisão de buracos negros e outros eventos altamente energéticos em todo o universo. Além disso, as ondas gravitacionais são a forma mais direta de estudar a parte escura do cosmos.

— Daqui a alguns anos o LIGO será três vezes melhor e poderemos ver ainda mais do universo —disse o cientista da CalTech Kip Thorne, cofundador do LIGO.

MESES DE RUMORES AGITARAM CIENTISTAS MUNDO AFORA

Rumores de que a equipe do LIGO tinha detectado ondas gravitacionais têm circulado pela comunidade astrofísica durante meses. Mas muitos pesquisadores estavam céticos e temiam que os rumores pudessem ter sido provocados por sinais sintéticos que são adicionados aos dados para testar procedimentos analíticos da equipe.

— Após todos os rumores ao longo dos últimos meses, eu certamente espero que eles anunciem uma detecção neste momento — disse no início desta semana ao "Guardian" Alberto Sesana, pesquisador do grupo de ondas gravitacionais da Universidade de Birmingham, na Inglaterra. — Nós temos que ter em mente que o LIGO é um experimento, e que é o único no mundo que pode detectar tais fontes. Se eles afirmam ter detectado ondas gravitacionais, isso não pode ser confirmado por qualquer outro instrumento, e que é sempre uma questão a considerar. Mas eles têm sido muito cautelosos em fazer isso corretamente, então estou confiante de que eles têm uma evidência clara e forte.

Fonte: http://g1.globo.com