Publicado em 17/03/2016 as 2:00pm

Imprensa internacional repercute a volta de Lula ao Governo

Para New York Times, petista assumiria cargo para evitar ser preso. Segundo Forbes, muitos brasileiros consideram a manobra 'uma vergonha'.

A nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como ministro-chefe da Casa Civil do governo Dilma Rousseff ganhou destaque na imprensa internacional e foi notícia em jornais como "New York Times" e "Wall Street Journal" (EUA), "El País" (Espanha), "Le Figaro" (França) e "La Nación" (Argentina).

Lula substitui Jaques Wagner, que se tornará chefe de gabinete da presidente.

Os veículos ressaltaram que, além de ajudar Dilma a superar a crise política, com um processo de impeachment em andamento, a nomeação também serviria para blindar o ex-presidente de investigação da Operação da Lava Jato.

Como ministro, Lula passa a ter foro privilegiado e só pode ser investigado com o aval do Supremo Tribunal Federal (STF).

New York Times

O jornal americano destaca que o ex-presidente vai assumir um cargo no governo para evitar ser preso. Na prática, segundo o Times, isso significa que o processo contra Lula pode se arrastar por anos e poucos políticos julgados pelo STF acabam na prisão.

 

Bloomberg

O site de notícias publicou que Lula, que está sob investigação, concordou, em princípio, em assumir uma pasta no governo da presidente Dilma. Com isso, segundo o site, ele estaria protegido contra processo de corrupção.

 

The Wall Street Journal

O jornal americano diz que o convite a Lula é um reflexo dos efeitos de uma recessão brutal, do escândalo de corrupção e da crescente pressão pelo impeachment.

 

Revista Forbes

O site da revista destaca que a presidente Dilma ofereceu um cargo no governo a Lula, em um esforço para protegê-lo da investigação da operação Lava Jato, e que muitos brasileiros consideram a manobra "uma vergonha".

 

El País

O espanhol El País traz a notícia na primeira página. O jornal afirma que o carismático presidente, que governou o Brasil de 2003 a 2010, retorna para o epicentro do poder: será ministro da Casa Civil, cargo equivalente ao de primeiro-ministro.

 

Le Figaro

O jornal francês diz que Dilma e Lula se unem para enfrentar o escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras.

 

La Nación

Segundo o jornal argentino, o ex-presidente Lula havia aceitado assumir um ministério no governo de sua sucessora, Dilma Rousseff, o que permitiria ao líder petista ter foro privilegiado nas denúncias sobre o esquema de corrupção da Petrobras.

 

Fonte: http://www.msn.com