Publicado em 29/03/2016 as 9:35am

Homem sequestra avião no Egito e desvia voo para o Chipre

Sequestrador estaria com um cinturão de explosivos amarrado ao corpo. Presidente chipriota descartou que a ação esteja relacionada a terrorismo.

Um avião da companhia aérea egípcia Egyptair, que faria a rota Alexandria/Cairo, foi sequestrado nesta terça-feira (29) por um homem que estaria com um cinturão de explosivos amarrado ao corpo, informou o Ministério de Aviação Civil do Egito.

A aeronave, um Airbus A320, decolou do Aeroporto Burg al Arab, em Alexandria, foi desviado de sua rota por volta de 8h30 (local) e pousou no Aeroporto de Larnaca, no Chipre, 20 minutos após o comandante Omar Yamal avisar a torre de controle cipriota.

O avião estacionou em uma área isolada foi observado de longe por policiais. As negociações começaram logo após a aterrissagem da aeronave. O presidente chipriota descartou que a ação esteja relacionada a terrorismo, segundo a France Presse.

A Egyptair confirmou que 81 pessoas estavam a bordo do Airbus, contando com os integrantes da tripulação.

Uma rádio local noticiou que o homem teria pedido asilo ao Chipre. A Reuters apurou que o sequestrador é um cidadão egípcio chamado Ibrahim Samaha e que sua mulher, cujo nome não foi divulgado, viveria no Chipre.

As agências de notícias especulam que o homem disse ter bombas ao corpo, mas as autoridades não confirmaram a informação.

O ministro da avição egípcio, em entrevista coletiva, não mencionou informações sobre o sequestrador.

Por volta de 4h30 (no Brasil), o sequestrador libertou a maior parte dos passageiros, segundo a Egyptair. Mais de uma hora depois, ele libertou os últimos 4 passageiros estrangeiros (as nacionalidades não foram informadas). A tripulação (ao menos 7 pessoas), no entanto, foi mantida refém.

A polícia local está em alerta e o ministro cipriota da Ordem Pública, Ionas Nikolaou, foi chamado para uma reunião de emergência.

Por conta do sequestro, o Chipre fechou o Aeroporto de Larnaca. Os voos foram desviados para outros complexos.

Ao menos 21 estrangeiros de oito nacionalidades viajavam no avião: oito norte-americanos, quatro holandeses, quatro britânicos, dois belgas, um francés, um sírio e um italiano.

 

 

Fonte: globo.com