Publicado em 8/09/2016 as 1:00pm

Coreia do Norte critica declaração da ONU contra seu teste de mísseis

Pyongyang chamou a ONU de 'entidade injusta que não vale para nada'. Conselho de Segurança havia condenado lançamento de mísseis 'firmemente'.

A Coreia do Norte criticou duramente nesta quinta-feira (8), em seus veículos de imprensa estatais, a condenação de seu último lançamento de mísseis pelo Conselho de Segurança da ONU, que colocou a possibilidade de impor novas sanções ao país.

O regime de Kim Jong-un "rejeita categoricamente" a declaração por considerá-la "um ato intolerável que viola sua dignidade, seu direito de existência, sua soberania e seu direito à autodefesa", segundo comunicado da agência de notícias governista de notícias "KCNA".

A Coreia do Norte defendeu que o lançamento "foi realizado com êxito sem gerar qualquer impacto negativo na segurança dos países vizinhos da Coreia do Norte e nem nas águas internacionais", segundo o comunicado.

O Conselho de Segurança emitiu na terça-feira (6) uma declaração, aprovada por todos os membros, condenando "firmemente" o teste com mísseis do dia anterior e pedindo que o país encerre suas "violações" às resoluções do órgão que proíbem a realização de testes com mísseis balísticos.

A Coreia do Norte argumenta que a ONU "não pronunciou uma palavra sobre o ato criminoso dos EUA, que está realizando exercícios para uma guerra nuclear" - uma referência aos frequentes testes militares realizados por Seul e Washington em território sul-coreano.

No comunicado, Pyongyang chamou a ONU de "entidade injusta que não vale para nada" e afirma que ela "tem problemas com uma medida legítima de autodefesa da República Popular Democrática de Coreia (RPDC)".

O lançamento de mísseis de médio alcance da segunda (5) foi o primeiro desde 24 de agosto, quando ocorreu um disparo bem-sucedido de míssil a partir de um submarino pela Coreia do Norte.

Fonte: g1.globo.com