Publicado em 21/02/2017 as 2:00pm

Trump escolhe tenente-general como conselheiro de Segurança Nacional

No Afeganistão, ele atuou como o número dois no planejamento das forças da coalizão (ISAF) no país e dirigiu uma força anticorrupção junto aos afegãos

Uma semana após a queda de Michael Flynn, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (20) o tenente-general do Exército Herbert Raymond McMaster como seu sucessor no posto de conselheiro de Segurança Nacional.

H. R. McMaster, 54, é visto como um dos mais importantes estrategistas militares dos EUA hoje, com experiência no Iraque e no Afeganistão. Ele ocupa, desde 2014, o posto de diretor do Centro de Integração de Capacidades do Exército, responsável pela harmonização entre doutrina, treinamento, sistemas e materiais militares.

Ao anunciar seu nome, na residência de Mar-a-Lago, em Palm Beach, na Flórida, Trump disse que McMaster é um "homem de tremendo talento e de tremenda experiência". "Ele é muito respeitado por todo mundo nas Forças Armadas", afirmou.

Segundo o "the New York Times", o tenente-general é "um dos principais intelectuais do Exército" e foi bastante crítico da forma como o governo George W. Bush iniciou a guerra no Iraque.

No Afeganistão, ele atuou como o número dois no planejamento das forças da coalizão (ISAF) no país e dirigiu uma força anticorrupção junto aos afegãos.

Keith Kellogg, que tinha ocupado interinamente o posto deixado por Flynn, será o novo chefe de gabinete do Conselho de Segurança Nacional.

Flynn deixou o posto após um escândalo envolvendo a Rússia. O general, uma das figuras controversas da equipe mais próxima de Trump, teve sua renúncia pedida por Trump após revelações de que ele conversou com o embaixador russo nos EUA sobre sanções ao país antes mesmo da posse.

Trump, na última quinta, disse que o problema não foi nem o conteúdo da conversa –apesar de a lei americana proibir cidadãos que não estejam no governo de conduzir temas de política externa. Para o republicano, o que ruiu a confiança entre os dois foi o fato de Flynn ter mentido sobre o conteúdo da conversa ao vice-presidente, Mike Pence.

De acordo com a imprensa americana, o general havia pedido ao diplomata russo para que Moscou não reagisse de forma desproporcional antes que Trump chegasse à Casa Branca, porque ele poderia rever as sanções -aplicadas por Barack Obama após acusações de que a Rússia teria influenciado nas eleições de novembro. Com informações da Folhapress.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br