Publicado em 30/03/2017 as 2:00pm

EUA aprova revogação de leis sobre privacidade na internet

A afirmação foi feita com base no fato de que sites ou redes sociais, como Google e Facebook, já podiam utilizar os dados sem que os usuários tivessem pré-autorizado

Segundo a Casa Branca, a lei, que havia sido implementada pela Comissão Federal de Comunicações, não obedecia às regras de neutralidade da Comissão Federal de Comércio, pois colocava diferentes regras para diferentes companhias que atuam na área de tecnologia. A afirmação foi feita com base no fato de que sites ou redes sociais, como Google e Facebook, já podiam utilizar os dados sem que os usuários tivessem pré-autorizado. A revogação foi considerada uma vitória para as grandes empresas de telecomunicação norte-americanas, como AT&T, Verizon e Comcast. Organizações defensoras de direitos individuais acusaram o Congresso de vender a privacidade dos consumidores para os provedores e de se alinhar às indústrias da telefonia, ao invés de defender os direitos dos usuários da internet.

Rede Privada Virtual

A União Americana das Liberdades Civis afirmou que um dos maiores riscos para os consumidores é que, com a revogação, o governo poderia comprar dados de navegação e utilizá-los.

Já a Fundação das Fronteiras Eletrônicas argumenta que as companhias teriam acesso livre às buscas dos consumidores, podendo criar perfis de acordo com essas buscas e vender seus dados. Segundo a organização, os consumidores acabariam tendo de pagar um tipo de “imposto da privacidade”, já que seriam obrigados a utilizar serviços de VPN (sigla em inglês para “Rede Privada Virtual”), redes que oferecem meios de mascarar o que um usuário de internet está fazendo enquanto navega. Com informações da Agência Brasil.

Fonte: www.noticiasaominuto.com.br