Publicado em 8/08/2017 as 10:00am

Coreia do Norte promete se vingar dos EUA por novas sanções

Conselho de Segurança da ONU impôs mais punições por conta de dois novos testes balísticos feitos por Kim Jong-un.

Coreia do Norte promete se vingar dos EUA por novas sanções Novo pacote de sanções não vai fazer nunca com que os norte-coreanos reduzam seu programa nuclear, diz Pyongyang.

Após ser alvo de mais sanções econômicas da Organização das Nações Unidas (ONU), o governo da Coreia do Norte afirmou que sua "vingança" contra a entidade e os Estados Unidos será "mil vezes maior".

Em um comunicado, divulgado pela emissora estatal "KCNA", Pyongyang destacou ainda que é alvo de um "odioso complô dos EUA para isolar e sufocar" o país porque as novas sanções são uma "violenta violação de nossa soberania".

O documento ainda afirma que a aplicação do novo pacote de punições "não vai fazer nunca" com que os norte-coreanos reduzam seu programa nuclear.

A reação dos norte-coreanos ocorre pouco depois das Nações Unidas ter adotado novas sanções contra o país por unanimidade.

No sábado (5), o Conselho de Segurança decidiu impor mais punições por conta dos dois novos testes balísticos feitos pelo ditador Kim Jong-un.

Até mesmo a China, que não aceita normalmente esse tipo de sanção, firmou o pedido que impede as exportações norte-coreanas de carvão, ferro, chumbo, minério de ferro e de chumbo e frutos do mar. Estima-se que esses cortes gerem a queda de um terço das exportações do país, em valor estimado em US$ 1 bilhão em negócios.

O texto com as novas sanções foi apresentado pelos Estados Unidos. No entanto, os chineses ressaltaram que esse tipo de punição não deve ser a única medida tomada contra o regime norte-coreano e que a entidade precisa estudar como resolver a crise norte-coreana.

Declaração dos EUA e Coreia do Sul

No fim da noite deste domingo (6), após uma conversa por telefone entre os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, Donald Trump e Moon Jae-in emitiram uma nota conjunta acusando Pyongyang de serem um problema para o mundo.

"A Coreia do Norte representa uma crescente ameaça, séria e direta, contra os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão, assim como contra grande parte dos países do mundo", informam os dois presidentes.

Já o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, destacou que o melhor sinal que os norte-coreanos podem dar para o mundo e para negociar com os EUA é parando com os testes de lançamento de mísseis balísticos.

Fonte: noticias.r7.com