Publicado em 17/08/2017 as 9:00am

Trump diz que Kim Jong-un teve atitude sábia ao afastar possibilidade de ataque a Guam

Líder norte-coreano recuou nas ameaças e disse na terça que iria continuar a observar ações americanas antes de determinar um ataque contra a ilha americana no Pacífico.

Trump diz que Kim Jong-un teve atitude sábia ao afastar possibilidade de ataque a Guam Homem observa imagem do presidente americano, Donald Trump, e do líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Seul, na Coreia do Sul, em imagem de arquivo. (Foto Ahn Young-joon - AP)

Opresidente americano, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira (16) que o líder norte-coreano teve "atitude sábia" ao afastar a possibilidade de ataque a Guam. Após analisar o estudo que previa lançar mísseis contra a ilha americana no Pacífico, Kim Jong-un recuou nas ameaças e disse na terça (15) que iria continuar a observar as ações americanas antes de determinar um ataque.

“Kim Jong-Un, da Coreia do Norte, tomou uma decisão muito sábia e bem fundamentada. A alternativa teria sido catastrófica e inaceitável!”, disse em sua conta no Twitter.

As declarações de Kim Jong-un, seguida desta de Trump, mostram uma nítida recuada no tom das discussões entre os dois países.

O líder norte-coreano declarou que "vai seguir observando um pouco mais a conduta tola e estúpida dos ianques enquanto passam por um momento difícil a cada minuto de sua miserável sina". Ele advertiu que "é necessário que os Estados Unidos adotem a opção correta" e que, se "persistirem em suas ações insensatas na Península da Coreia", Pyongyang vai atuar.

A pequena ilha de Guam abriga duas grandes bases militares dos EUA, com mais de 6 mil homens. Localizada a 3.500 km da Coreia do Norte, com população total de 162 mil pessoas e está equipada com o escudo antimísseis THAAD.

Guerra retórica

Vista aérea de Guam. (Foto Marinha dos EUA via Reuters)

 A escalada da tensão começou depois que a Coreia Norte testou dois mísseis balísticos intercontinentais no mês passado, indicando que seria capaz de atingir o território americano.

Após o país asiático detalhar seu plano de atacar Guam, Donald Trump vem ameaçando a Coreia do Norte.

Na terça-feira (8), Trump usou a expressão "fogo e fúria", ao comentar ameaças norte-coreanas, quando declarou: "É melhor que a Coreia do Norte não faça mais ameaças aos Estados Unidos. Enfrentarão fogo e fúria como o mundo nunca viu".

O general norte-coreano Kim Rak Gyom afirmou que a declaração do presidente americano era "um monte de bobagem". "Parece que ele não entendeu o recado. Diálogo saudável não é possível com um sujeito tão desprovido de razão e apenas força absoluta pode funcionar sobre ele", disse o general.

Como o tom bélico não caiu após a forte declaração de Trump, o presidente avaliou na quinta (10) que sua declaração não tinha sido “forte o suficiente”. E a Coreia do Norte voltou a contra-atacar afirmando que os EUA irão "sofrer uma derrota vergonhosa e uma condenação final" caso "persistam em suas aventuras militares, sanções e pressões extremas".

Na sexta (11), o presidente disse que a resposta militar americana para um eventual ataque da Coreia do Norte já está pronta.

“As soluções militares estão agora totalmente instaladas, guardadas e carregadas, se a Coreia do Norte atuar imprudentemente. Espero que Kim Jong Un encontre outro caminho!”, afirmou no Twitter.

Na segunda (14), o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, disse que se a Coreia do Norte disparar um míssil contra os EUA, a situação pode se transformar em guerra. "Se eles dispararem contra os Estados Unidos, (a situação) pode escalar para uma guerra muito rapidamente", disse Mattis. Ele afirmou que os EUA reconheceriam a trajetória de um míssil norte-coreano rapidamente.

Fonte: g1.globo.com