Publicado em 18/08/2017 as 1:00pm

Presidente da Apple discorda de Trump sobre Charlottesville e promete doações a grupos de direitos humanos

Tim Cook aderiu a um coro de líderes empresariais que foram contra presidente dos EUA depois que ele culpou igualmente nacionalistas brancos e ativistas antiracismo pela violência nos EUA.

Presidente da Apple discorda de Trump sobre Charlottesville e promete doações a grupos de direitos humanos Tim Cook, CEO da Apple, durante conferência na Califórnia. (Foto REUTERS-Stephen Lam)

Tim Cook, presidente-executivo da Apple, aderiu a um coro de líderes empresariais que se manifestaram contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, depois que ele culpou igualmente nacionalistas brancos e ativistas antiracismo pela violência no país no final de semana passado.

"Eu discordo do presidente e de outros que acreditam que há uma equivalência moral entre supremacistas brancos e nazistas e aqueles que se opõem a eles ao defender direitos humanos. Igualar os dois vai contra nossos ideais como norte-americanos", escreveu Cook em mensagem enviada aos funcionários da Apple, na quarta-feira (16), e divulgada pelo site de tecnologia Recode.

Cook também afirmou na mensagem que a Apple vai doar US$ 1 milhão para o Southern Poverty Law Center e US$ 1 milhão para o Anti-Defamation League, dois grupos de direitos humanos.
"Independente de nossas visões políticas, precisamos nos unir neste ponto, que somos todos iguais. Como companhia, por meio de nossas ações, nossos produtos e nossa voz, sempre vamos trabalhar para garantir que todos sejam tratados igualmente e com respeito", escreveu Cook.

A carta de Cook surgiu horas depois de Trump desmontar dois conselhos empresariais de alto padrão após vários presidentes de companhias renunciaram em protesto contra suas declarações sobre a violência em Charlottesville, nas quais culpou ativistas que protestavam contra o racismo da mesma forma que os supremacistas brancos pela morte de uma mulher de 32 anos.

"Houve eventos nos últimos dias que me perturbaram profundamente e eu tenho ouvido de muitas pessoas na Apple manifestações de tristeza, revolva ou confusão", disse Cook.

"O que ocorreu em Charlottesville não tem lugar no nosso país. Ódio é um câncer e se o deixarmos impune vai destruir tudo em seu caminho. As cicatrizes dele duram por gerações. A história nos ensinou isso repetidas vezes, tanto nos Estados Unidos quanto ao redor do mundo", acrescentou Cook.

Fonte: g1.globo.com