Publicado em 5/09/2017 as 4:00pm

9 coisas que você provavelmente não sabia que foram inventadas ou descobertas por mulheres

Se pedirem para você citar inventores importantes, nomes como Thomas Edison, Alexander Graham...

9 coisas que você provavelmente não sabia que foram inventadas ou descobertas por mulheres As empresas de veículos desdenharam da descoberta de Mary Anderson por achar que iria distrair os motoristas. Ilustração Hannah Eachus

Se pedirem para você citar inventores importantes, nomes como Thomas Edison, Alexander Graham Bell e Leonardo da Vinci provavelmente virão à sua mente.

Mas e Mary Anderson? E Ann Tsukamoto? Já ouviu falar delas?

Talvez não, mas certamente conhece seus feitos: Anderson patenteou o limpador de para-brisa controlado pelo lado interno do veículo; Tsukamoto desenvolveu um processo para isolar células-tronco humanas.

A série da BBC "100 Mulheres", dedicada a histórias nas quais as personagens femininas são as protagonistas, lançou um desafio. A ideia é incentivar mulheres de todo o mundo a criar inovações para alguns dos maiores problemas que enfrentam.

Para quem busca uma inspiração, listamos nove mulheres e suas invenções:

1. Softwares de computadores - Grace Hopper

Grace Hopper popularizou o termo debug ao descrever um erro de sistema após encontrar um pequeno inseto nas conexões do seu computador. Ilustração Hannah Eachus.

Depois de entrar na Marinha dos EUA, ainda durante a Segunda Guerra Mundial, a almirante Grace Hopper foi destacada para trabalhar num novo computador chamado Mark 1.

Pouco depois, ela já estava na linha de frente da programação de computadores.

Em 1952, ela criou o primeiro compilador, para traduzir um comando textual para uma linguagem em códigos a serem lidos pelo computador. Isso fez com que a programação fosse mais rápida e acabou revolucionando a forma como esses sistemas funcionam.

Hopper também popularizou o termo "debugging", usado para até hoje para descrever o processo que evita e reduz defeitos de softwares, depois que um inseto foi tirado de dentro da máquina dela.

A "Incrível Grace", como ela era conhecida, continuou trabalhando com computadores até se aposentar como a mais velha oficial da Marinha, aos 79 anos.

2. Identificador de chamadas e chamada em espera - Shirley Ann Jackson

Shirley Ann Jackson, a primeira negra dos EUA a cursar um doutorado no MIT - Crédito Hannah Eachus.

Shirley Ann Jackson é uma física cuja pesquisa, nos anos 1970, a levou a criar o identificador de chamadas e a chamada em espera.

As invenções de Jackson no campo das telecomunicações também permitiram que outros inventassem o fax portátil, cabos de fibra ótica e células solares.

Ela foi a primeira mulher negra americana a ganhar o título de doutora pelo MIT, sigla em inglês para o renomado Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

3. Limpador de para-brisas - Mary Anderson

A enfermeira Marie Van Brittan Brown criou um complexo sistema para monitorar quem batesse a sua porta. Ilustração Hannah Eachus.

Em um dia de inverno, em 1903, Mary Anderson visitava Nova York quando percebeu que o motorista era forçado a abrir as janelas do carro toda vez que precisava limpar a neve do vidro da frente.

E, toda vez que isso acontecia, os passageiros ficavam com frio. Anderson pensou numa solução: uma lâmina de borracha que poderia ser acionada de dentro do carro. Em 1903 ela patenteou o equipamento.

A invenção, contudo, não agradou as montadoras, que acreditavam que o para-brisa iria distrair os motoristas. Anderson nunca lucrou com sua criação, nem mesmo quando os limpadores se tornaram padrão nos veículos.

4. Bateria de longa duração - Olga D. Gonzalez-Sanabria

Pode até ser que a descoberta de Olga D. Gonzalez-Sanabria não seja a mais empolgante desta lista, mas as baterias de níquel e hidrogênio com longa duração são tão importantes que ajudaram a manter ligada a Estação Espacial Internacional.

A porto-riquenha desenvolveu essa tecnologia em 1980. Atualmente, é diretora de engenharia de um dos centros de pesquisa da Nasa em Ohio, nos EUA.

5. Lava-louças - Josephine Cochrane

Josephine Cochrane queria uma máquina que lavasse pratos mais rápido que seus empregados - e que não os quebrassem.

Criou, assim, uma máquina cujo motor fazia uma roda girar dentro de uma caldeira de cobre e usava a pressão da água.

Mas o que motivou Cochrane a patentear a invenção em 1886 e a abrir sua própria fábrica de produção foram as dívidas deixadas pelo marido, que era alcoólatra.

6. Sistema de segurança doméstico - Marie Van Brittan Brown

A enfermeira, que passava boa parte do dia sozinha em casa, teve uma ideia para se sentir mais segura. Foi então que, em parceria com o marido, Marie Van Brittan Brown desenvolveu o primeiro sistema de segurança doméstico.

O equipamento era complicado: uma câmera conectada a um motor se movia para cima e para baixo na porta para registrar imagens por meio de um olho mágico. O monitor, no quarto do casal, estava equipado com um alarme.

7. Isolamento de células-tronco - Ann Tsukamoto

O trabalho científico de Ann Tsukamoto já levou a grandes avanços na medicina. Ilustração Hannah Eachus.

A patente do isolamento de células-tronco de humanos foi concedida em 1991 e, desde então, o trabalho de Ann Tsukamoto já levou a grandes avanços.

A descoberta tem ajudado a compreender o sistema sanguíneo de pacientes com câncer, o que faz aumentar as esperanças de se descobrir a cura da doença.

Atualmente, Tsukamoto tem conduzido mais pesquisas sobre o crescimento de células-tronco e é cotitular da patente em sete outras invenções.

8. Fibra Kevlar - Stephanie Kwolek

A química Stephanie Kwolek criou uma fibra leve usada em coletes à prova de balas e armaduras corporais.

Desde a sua descoberta, em 1965, o material, que é cinco vezes mais forte que o aço, já salvou milhões de vidas e é usado por milhões de pessoas todos os dias.

É possível encontrar a fibra em produtos que vão desde luvas domésticas a celulares, aviões e pontes suspensas.

9. Monopoly - Elizabeth Magie

A criação de um dos jogos de tabuleiro mais populares da história já foi atribuída a um homem chamado Charles Darrow. Mas as regras do Monopoly, lançado no Brasil como Banco Imobiliário, foram na verdade inventadas por Elizabeth Magie.

O objetivo de Magie era demonstrar a acumulação de riqueza com um jogo inovador, no qual os jogadores trocaram dinheiro e propriedade falsos. Ela patenteou em 1904 o "Landlord's Game" ("O jogo do proprietário", em tradução livre).

A versão que conhecemos hoje foi lançada em 1935 pela empresa Parker Brothers. Ao descobrir que Darrow não era o único criador, a companhia comprou a patente de Magie por apenas US$ 500.

Fonte: BBC.com