Publicado em 23/11/2017 as 3:00pm

Cuba defende Coreia do Norte e prega diálogo com EUA

Cuba, um dos poucos aliados da Coreia do Norte, advogou nesta quarta-feira (22) pela "paz e estabilidade" na península coreana e pelo "diálogo" para reduzir as atuais tensões entre o regime de Pyongyang e os Estados Unidos.

Cuba defende Coreia do Norte e prega diálogo com EUA (Fournis par RFI)

Ao receber em Havana o ministro das relações exteriores norte-coreano, Ri Yong Ho, o chanceler Bruno Rodríguez "reafirmou o posicionamento de Cuba em prol da paz e estabilidade na península da Coreia, considerando que somente por meio do diálogo e das negociações alcançarão uma solução política duradoura", assinalou o telejornal local.

Rodríguez também "expressou o rechaço às certificações e recomendações unilaterais do governo dos Estados Unidos, que servem de base para a aplicação de medidas coercitivas contrárias ao direito internacional".

"Imperialistas"

Ho, que chegou na segunda-feira (20) a Havana, mas só começou uma visita oficial nesta quarta, destacou "o agravamento da situação na península coreana pelo aumento do uso das forças militares dos imperialistas" e "a importância das relações entre dois países que constroem o socialismo", segundo a televisão cubana.

A visita de Ho acontece em um momento em que Pyongyang e Washington mantêm um forte confronto diplomático por causa dos vários testes balísticos e nucleares realizados pelo país asiático, com a potencial ameaça de que possam alcançar o território americano, a mais recente feita em 3 de setembro.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na segunda-feira a reincorporação da Coreia do Norte na lista americana de países que patrocinam o terrorismo, em um novo passo para fortalecer o isolamento internacional do governo de Pyongyang.

Trump congela relações com Cuba

Em 23 de setembro, o chanceler Ho dedicou seu discurso na ONU a criticar Trump e expressar "um forte apoio e solidariedade com o governo e o povo cubanos".

Havana e Washington restabeleceram relações diplomáticas em 2015 após meio século de ruptura, mas a aproximação ficou congelada desde a chegada de Trump à Casa Branca.

Em maio, o presidente Raúl Castro expressou sua solidariedade com Pyongyang ao líder sindical Ju Yong-gil, que visitou Havana.

Fonte: msn.com