Publicado em 6/12/2017 as 6:00pm

Policiais impedem imigrante de cometer assassinato em massa na Florida

As autoridades de Jacksonville (Flórida) anunciaram na segunda-feira (04) que conseguiram...

Policiais impedem imigrante de cometer assassinato em massa na Florida Policiais impedem imigrante de cometer assassinato em massa na Florida.

As autoridades de Jacksonville (Flórida) anunciaram na segunda-feira (04) que conseguiram impedir que um imigrante de 69 anos de idade conseguisse cometer um assassinato em massa em uma mesquita local. De acordo com as informações, os policiais prenderam Bernandino Gawala Bolatete, das Filipinas, com um rifle com silenciador. Ele estava no estacionamento de uma loja de artigos esportivos.

A polícia local realizou a prisão em parceria com autoridades estaduais e federais e o imigrante foi indiciado por possuir um rifle com silenciador sem registro no National Firearms Registration and Transfer Record, de acordo com a Promotoria.

O xerife de Jacksonville, Mike Williams, disse que detetives perceberam a ameaça de assassinato em massa no final de outubro e começaram a investigar o caso contra Bolatete. "A investigação confirmou que o suspeito estava fazendo planos para realizar um tiroteio em massa, e ele já tinha o armamento necessário para realizar o ataque", disse.

O silenciador foi vendido na sexta-feira no estacionamento da Academy Sports and Outdoors no 11901 Atlantic Blvd., de acordo com o Ministério Público. Após a venda, Bolatete foi preso e enfrenta até 10 anos na prisão federal, se ele for condenado pela acusação.

Williams disse que os investigadores foram à casa de Bolatete, a procura de qualquer armamento adicional que pudesse ser usado para realizar o ataque.

A investigação começou quando o escritório do xerife recebeu uma dica de um cidadão de que Bolatete "expressou um ódio pelos muçulmanos e ameaçou" atirar em pessoas numa mesquita, de acordo com a queixa. Williams não forneceu mais detalhes sobre a prisão, mas disse que o imigrante foi levado sob custódia sem incidentes.

Fonte: Redação - Brazilian Times