Publicado em 18/12/2017 as 8:00am

Novas regras são anunciadas para isenção de visto nos Estados Unidos

Acordo visa aprimorar o compartilhamento de informações entre os países.

Novas regras são anunciadas para isenção de visto nos Estados Unidos (Pixabay)

Firme no plano de endurecimento da política de imigração e viagem, o governo dos Estados Unidos lançou novas regras para os países participantes do programa de isenção de vistos. Conforme anunciado na última sexta-feira (15), os 38 países contemplados pelo programa a partir de agora terão que usar informações dos Estados Unidos contra o terrorismo na classificação dos viajantes que cruzarem suas fronteiras.

De acordo com o portal G1, o acordo visa aprimorar o compartilhamento de informações entre os países. Mas as novas medidas permitem ainda que o país liderado por Donald Trump comece também a avaliar como as demais nações estão tratando das ameaças internas e da segurança dos voos nos seus aeroportos.

Países como Hungria, Grécia, Portugal e Sam Marino, cujos cidadãos ficaram mais tempo que o permitido em território americano no ano passado, terão que lançar campanhas educativas para os cidadãos sobre as especificidades do programa, a fim de conscientizar a população das consequências de violar as condições impostas pelos EUA.

Por lei, os viajantes vindos de países contemplados com a isenção de visto, seja para turismo ou negócios, só podem permanecer em território americano por 90 dias. Anualmente o país recebe cerca de 20 milhões de visitantes pelo programa.

“Os EUA enfrentam um inimigo ágil e adaptativo, enquanto os terroristas continuam a explorar formas de entrar no nosso país e conduzir e inspirar ataques contra nós”, disse a nova secretária do departamento, Kirstjen Nielsen, em declaração reproduzida pelo portal. “É muito importante que estejamos preparados para isso, melhorando nossa postura de segurança”.

O Congresso dos Estados Unidos também será cobrado a tornar permanentes diversas regras adotadas na nova política de imigração e viagem, como por exemplo a exigência de que países participantes permitam que autoridades federais americanas atuem em voos que tem qualquer destino nos Estados Unidos.

Fonte: noticiasaominuto.com.br