Publicado em 4/01/2018 as 6:00pm

Trump dissolve comissão que criou para investigar suposta fraude eleitoral

Em comunicado, a Casa Branca disse que os estados não deram informações básicas necessárias.

Trump dissolve comissão que criou para investigar suposta fraude eleitoral O presidente dos EUA, Donald Trump, durante reunião de gabinete na Casa Branca, em imagem de arquivo (Foto Reuters-Jonathan Ernst)

O presidente americano Donald Trump dissolveu nesta quarta-feira (3) a comissão criada por ele para investigar suposta fraude na eleição de 2016. "Apesar de evidências substanciais de fraude eleitoral, muitos estados se recusaram a prover à Comissão Consultiva Presidencial sobre Integridade Eleitoral informações básicas relevantes para seu inquérito", disse a Casa Branca, em comunicado.

"Em vez de me engajar em batalhas legais intermináveis à custa do contribuinte, hoje assinei uma ordem executiva para dissolver a comissão e pedi ao Departamento de Segurança Interna para analisar essas questões e determinar os próximos passos de ação".

Trump criou em maio a comissão sobre a "integridade" do sistema eleitoral, que investigaria, entre outras coisas, suas denúncias sem provas sobre suposta fraude cometida nas eleições de novembro de 2016.

Denúncias

A comissão apresentaria seu relatório com conclusões em 2018. Após vencer as eleições presidenciais de novembro sobre sua rival democrata, Hillary Clinton, Trump denunciou em várias ocasiões que houve fraude eleitoral.

Trump venceu Hillary no sistema de colégio eleitoral por 304 votos contra 227, mas a democrata conseguiu cerca de três milhões de votos a mais que o agora presidente.

O presidente chegou a dizer em janeiro que, nas eleições de novembro, votaram até cinco milhões de imigrantes sem documentos, razão pela qual, em sua opinião, a ex-secretária de Estado ganhou no voto popular.

Mas nem Trump nem a Casa Branca apresentaram nenhuma evidência para respaldar essas afirmações nem as denúncias de uma suposta fraude eleitoral, que especialistas consideram completamente infundadas.

Fonte: https://g1.globo.com