Publicado em 12/07/2018 as 10:00am

Parte do time tirado de caverna tem infecção, mas quadro não preocupa

Eles terão que ficar no hospital por até dez dias e, depois, permanecer em repouso em casa por ao menos um mês.

Parte do time tirado de caverna tem infecção, mas quadro não preocupa Soe Zeya Tun - Reuters

Os quatro primeiros meninos a serem resgatados da caverna na Tailândia, no domingo (8), já estão comendo normalmente e andando, disseram autoridades nesta quarta-feira (11).

Já os quatro garotos salvos na segunda (9) ingerem alimentos pastosos. Três deles e o treinador têm infecção nos pulmões e tomarão remédios por sete dias, disse Thongchai Lertwilairatanapon, inspetor de saúde do governo.

Eles terão que ficar no hospital por até dez dias e, depois, permanecer em repouso em casa por ao menos um mês. Os pais dos oito primeiros resgatados puderam vê-los, mas tiveram que usar roupas especiais e mantiveram distância de dois metros para não transmitir infecções.

Os meninos perderam em média 2 kg no período em que ficaram na caverna –de 18 dias, para os últimos a sair. Nos dez antes de serem achados, tomavam água que pingava da parede. "Sem receber comida, podemos sobreviver por alguns meses, mas o que é preciso é água, que a caverna tem", disse Thongchai.

O resgate terminou nesta terça (10). Os SEALs da Marinha da Tailândia divulgaram na quarta (11) um vídeo com um compilado de cenas do difícil resgate.

Os 12 meninos, com idade entre 11 e 16 anos, e o treinador estavam explorando as cavernas de Tham Luang Nang Non em 23 de junho e ficaram presos quando o local alagou devido a chuvas. Eles estavam presos a cerca de 4 km da entrada da caverna e a 800 metros de profundidade.

Para sair, cada um deles fez o trajeto usando tanques de oxigênio e foi acompanhado por dois mergulhadores durante o percurso, que incluiu passagens escuras e apertadas, cheias de água barrenta.

Com o fim do resgate, a caverna deve ser fechada para ter a segurança reforçada e depois será reaberta ao turismo.

Fonte: noticiasaominuto.com.br (Com informações da Folhapress)

Top News