Publicado em 24/01/2008 as 12:00am

"Gogô dos brasileiros" é palco de um assassinato em MA

A madrugada de ontem, 24, não terminou nada bem para algumas pessoas que estavam "divertindo-se" na casa de stripper e motel King Arthur, localizada na cidade de Chelsea-Massachusetts. Um homem ainda não identificado entrou no local por volta da uma hora

 

"Gogô dos brasileiros" é palco de um assassinato em MA

 

Maioria das dançarinas no local são brasileiras

 

Da redação

 

A madrugada de ontem, 24, não terminou nada bem para algumas pessoas que estavam "divertindo-se" na casa de stripper e motel King Arthur, localizada na cidade de Chelsea-Massachusetts. Um homem ainda não identificado entrou no local por volta da uma hora e começou a atirar em uma pessoa.

No momento do crime, 50 pessoas estavam no interior do clube e todas se jogaram ao chão buscando uma proteção dos projéteis disparados pela arma do criminoso. Apenas três foram alvejados, sendo que um deles morreu no local, depois de ser atingido na altura do tórax. As outras duas vítimas foram socorridas e não apresentam perigo de morte. Uma foi baleada na parte superior da coxa e outra na perna.

A vítima assassinada foi identificada como Jeff Santiago, 28 anos de idade, morador da cidade de Everett. As outras duas não tiveram seus nomes notificiados. Algumas das pessoas presentes no local lembraram de um crime ocorrido em 1982 onde alguns policiais, que não estavam em serviço, atacaram algumas pessoas e mataram uma outra.

Segundo o chefe de polícia da cidade de Chelsea, Brian Kyes, várias testemunhas estão sendo ouvidas e "todas se mostraram interessadas em ajudar. Diante disso, ele acredita que em breve o crime será solucionado.

Este tiroteio de ontem aconteceu em um momento de transição no King Arthur. O ex-proprietário Arthur Guttadauro faleceu recentemente e tudo está sob o comando de seu filho. Uma audiência para transferência da licença para venda de bebidas alcóolicas estava marcada para a próximo terça-feira, mas os responsáveis resolveram adiar até que esta investigação seja analisada mais minusciosamente.

 

ESTAVA LÁ

A brasileira V.S., 24, disse que dança em uma outra casa de stripper, mas que no momento do crime, ela havia saído mais cedo e foi até o King Arthur para analisar o faturamento de uma dançarina. "Eu estou faturando pouco onde danço atualmente", fala ainda abalada pelo ocorrido.

Segundo ela, que já estava no interior da casa, quando ouviu o primeiro tiro, não se assustou, mas quando viu todo mundo se jogando ao chão, ficou apavorada. "Neste momento a primeira coisa que veio na minha cabeça foi meu filho", se emociona.

Assim como ela, o matogrosense José Carlos, também ficou assustado. "Eu nunca tinha presenciado nenhum tiroteio. Nem mesmo no Brasil", fala acrescentando que não viu quem atirou e tampouco teve coragem de ver quem foi baleado. "Minha vontade era de sair do local o mais rápído possível", finaliza.

 

CASO 82

Segundo as informações obtidas, no dia 23 de julho de 1982, uma confusão teve início no motel do estabelecimento e Alfredo Mattichio discutia com o policial John McLeod, que não estava em serviço. Depois de um bate-boca, ele saiu do local e retornou acompanhado de outros policiais todos armados com tacos de basebol, cacetete e ferros.

Em seguida invadiram o estabelecimento e começaram a agredir cerca de 12 pessoas que lá estavam. Este ato de selvageria culminou na morte de Vincente Bordonaro, que foi espancado até a morte.

Quatro policiais foram condenados por homicídio, um foi absolvido, dois cumprem pena por homicídio em segundo grau e o quarto foi colocado em liberdade depois de cumprir condenação por tentativa de homicídio.

Fonte: (Boston Herald)