Publicado em 26/03/2012 as 12:00am

Acusado de assédio sexual, brasileiro continua detido

Acusado de assédio sexual, brasileiro continua detido

O corretor de imóveis, João Mendonça, está preso há mais de 14 meses, em um presídio de Miami-Dude, na Flórida. Ele responde pela acusação de ter assediado sexualmente a sua filha Joanna Alyssa Cabral Mendonça. A denúncia foi feita pela própria jovem, a qual relata que o pai a molestou dos 10 aos 15 anos de idade.

A garota ficou tão traumatizada com as ações do pai, que tentou cometer suicídio, cortando os pulsos, sem êxito. Mas, mas em abril do ano passado, ela foi atropelada por um carro, não resistiu os ferimentos e morreu.  Mesmo assim as denúncias continuam na corte e o julgamento do brasileiro segue adiante. A menina morreu com apenas 15 anos de idade.

Mendonça será julgado pelas acusações de vários crimes sexuais contra a própria filha, tais como abuso sexual, atos lascivos, conduta indecente e tentativa de cometer sexo com uma menor de idade.

A situação do brasileiro ficou pior depois que um afilhado também o denunciou por abuso sexual. O menino ainda ressaltou que testemunhará contra o padrasto para que ele permaneça preso e não o ameace.

No ano passado, a juíza Stacy Glick pediu que ele assinasse uma confissão de culpa para responder o processo em liberdade. Mas ele se recusou e pediu que fosse trocado o defensor público que atuava como seu advogado. Mas este pedido foi negado e a juíza ainda disse ao brasileiro: “Você não tem direito algum”. Ela ainda ficou mais irritada quando a promotora relatou que as vítimas eram crianças de seu relacionamento familiar e que a menina era sua filha legítima.

Segundo alguns advogados especialistas no assunto, as acusações são muito graves e pode render centenas de anos de prisão ao brasileiro, caso seja condenado.

Fonte: (DA REDAÇÃO)