Publicado em 16/07/2014 as 12:00am

Sócio da Telexfree pediu a liberação de US$ 4 milhões

O sócio da Telexfree pediu a liberação de US$ 4 milhões, que segundo ele serão usados para custear as despesas advocatícias

Os Promotores de Justiça dos Estados Unidos criticaram o pedido feito pelo coproprietário da Telexfree, James Merrill, para acessar mais de US$4 milhões que estão em uma conta bloqueada. Para eles, o operador de um esquema de pirâmide que fraudou tantas pessoas não deveria nem ter a chance de discutir ocaso. A explicação dada pelo acusado é que a quantia serviria para ajudar a custear a sua defesa.

A assistente da Procuradoria dos EUA, Mary Murrane, informou que a quantia que Merrill pediu para o Tribunal liberar é proveniente dos fundos de investidores (vítimas do esquema da Telexfree). "O réu não pode usar fundos de vítima para pagar a sua defesa”, acrescentou.

Merrill, que mora em Ashland (Massachusetts), é acusado de conspirar para cometer fraude eletrônica usando a Telexfree. A empresa arrecadou milhões de dólares dados por investidores que acreditavam em falsas promessas de um retorno milionário. De posse do dinheiro, James Merrill e seu sócio, o brasileiro Carlos Wanzeler, desfrutou de uma vida de alto padrão, enquanto que colocou dinheiro ficava a espera do retorno.

Na segunda-feira (14), Murrane fez uma declaração de que a Justiça não pode nem permitir que haja uma audiência para o réu tentar conseguir o dinheiro, haja vista que o valor é fruto do crime pelo qual ele foi acusado. “Merrill não apresentou provas de que o dinheiro que ele pediu é oriundo de outro trabalho, a não ser da Telexfree”, continua.

Ela pediu ao tribunal para negar tanto o seu pedido de liberação dos US$ 4 milhões e quando ao pedido para uma audiência sobre o assunto.

Fonte: Redação do Brazilian Times