Publicado em 16/01/2015 as 12:00am

Brasileira cai no golpe do depósito em conta em Everett (MA)

Uma brasileira que pediu para não ser identificada, que reside na cidade de Everett (Massachusetts), foi vítima de mais um golpe aplicado na comunidade brasileira.

Uma brasileira que pediu para não ser identificada, que reside na cidade de Everett (Massachusetts), foi vítima de mais um golpe aplicado na comunidade brasileira. Ela se cadastrou no site Care.com, em busca de conseguir um emprego. Foi quando, na semana passada, uma mulher entrou em contato com ela, com uma oferta de trabalho para limpar casas.

Segundo J.J (vamos chamá-la assim para facilitar o entendimento da história), a mulher, que se identificou pelo nome de Tereza, disse que não morava em Massachusetts, mas teria um serviço em Boston em breve. “Ela me perguntou quanto eu cobraria pelo trabalho e ela me disse que pagaria US$500 por semana. Eu aceitei, pois era uma proposta boa”, explica.

Foi então que começou o golpe. Tereza disse que pagaria uma semana adiantada, mas precisava que a brasileira fizesse um favor. Ela (a suspeita) iria enviar um cheque no valor de US$2,950.00, de onde seria tirado os US$500,00 referentes ao pagamento pelo serviço e o restante do dinheiro deveria ser retirado e enviado para uma pessoa, através da Western Union.

O cheque chegou dois dias depois e J.J. fez o depósito. Mas assim que o cheque foi depositado, Tereza começou “infernizar” a vida da brasileira pedindo para que ela enviasse logo o valor restante, pois a pessoa precisava para comprar uma cadeira de rodas. “Diante de tanta pressão, retirei o dinheiro e fiz a remessa”, relata.

A questão é no estado de Massachusetts um cheque demora até cinco dias para ser compensado. Mesmo assim, quando o depósito é realizado, o dinheiro já aparece na conta. Mas isso não significa que ele está lá. Foi ai que J.J. foi pega, pois ela acreditou que o cheque tinha sido compensado e que já estava de posse do dinheiro.

Depois de perceber que foi enganada, ela procurou o Departamento de Polícia de Everett para registrar o ocorrido e foi informada de que este tipo de golpe já é muito comum na comunidade norte-americana e que a brasileira deveria ser alertada. “Eu tentei entrar em contato com a mulher, mas ela me tratou com rispidez e disse que resolveria o problema, mas até agora nada”, fala.

Segundo J.J. até mesmo o nome do cheque não existe e ela não sabe como o banco aceitou o depósito. “Eles não conferem as informações deste documento?”, indaga ressaltando que a golpista bons argumentos e sabe como convencer uma pessoa a cair no golpe.

Fonte: Da Redação do Brazilian Times | Reportagem de Luciano Sodré