Publicado em 21/01/2015 as 12:00am

Mais uma brasileira cai no golpe do cheque

Vera Pires, esposa do ativista Sidney Pires, disse que se cadastrou no site Sittercity.com em busca de um trabalho como baby-sitter.

Um crime que está se tornando comum na comunidade brasileira em Massachusetts e algumas partes dos Estados Unidos, é o “golpe do cheque”. O Brazilian Times publicou na edição de sexta-feira, dia 16 de janeiro, a matéria de uma brasileira que foi vítima deste esquema. Nesta terça-feira (20), mais uma pessoa entrou em contato com a redação do jornal para denunciar que também foi alvo destes criminosos.

Vera Pires, esposa do ativista Sidney Pires, disse que se cadastrou no site Sittercity.com em busca de um trabalho como baby-sitter. “O site é legítimo e bastante respeitado e milhares de pessoas já conseguiram emprego através dele”, explica a vítima. “O problema é que ele não coleta informações dos contratantes e exige apenas dados pessoais de quem está em busca de emprego”, acrescentou o ativista.

Segundo Vera, no início de janeiro uma empresa entrou em contato com ela e fez uma entrevista. Depois de algumas respostas e troca de informações, um e-mail pediu para que ela deixasse o seu emprego atual, pois já estava contratada. O documento também informou que seriam pagas duas semanas adiantadas. “Um cheque chegou, via correio, dois dias depois que ela recebeu a notificação, só que ao invés de ser no valor de US$1,200.00 referentes ao trabalho, havia US$2,920.00”, fala ela.

Quando ela percebeu que o valor estava a mais do que o combinado pelas duas semanas, Vera entrou em contato com a empresa. Uma mulher disse que o marido dela errou ao preencher o documento, mas que a brasileira poderia fazer o depósito sem problemas e sacar a diferença e enviar, através da Western Union, para duas pessoas, sendo uma na Geórgia e outra na Inglaterra.

Como é normal para pessoas que têm boa reputação, o banco já creditou o dinheiro na conta, antes de compensar o cheque. Vera, sem perceber que se tratava de um golpe, sacou o montante e fez conforme combinou com a mulher que supostamente era sua patroa.

Agora, a conta de Vera está negativada e o banco deu o prazo de cinco meses para que ela acertasse a situação, sob a pena de ter a conta cancelada. Além do prejuízo de quase três mil dólares, Vera deixou um emprego garantido onde ganhava US$400.00 por semana. “Desta forma o prejuízo ultrapassa os quatro mil, pois já são quase três semanas que ela está desempregada”, continua Sidney.

O ativista disse que procurou a polícia, mas foi informado de que não existe nenhum procedimento para este tipo de crime, pois o criminoso, quase em sua maioria, não mora no país. “O FBI tem uma página em seu site com um formulário que devemos preencher para que um agente analise e inicie as investigações”, fala ele.

Sidney ressalta que pesquisou os números de telefone fornecidos pelos criminosos e descobriu que se trata de um Magic Jack que está situado na Nigéria, roteada por um servidor na Flórida. Ele vai entrar em contato com um grupo independente na Inglaterra para tentar reaver parte do dinheiro e também pressionar a Western Union. “Eu também vou reunir pessoas que caíram neste tipo de golpe para que possamos encontrar apoio nas autoridades e meter estes marginais nas grades”, continua.

Fonte: Da Redação

Top News