Publicado em 23/03/2015 as 12:00am

Cabo da PM mata advogada e atinge gestante após discussão

Após discussão, cabo da Polícia Militar matou advogada e feriu mais duas pessoas da mesma família, incluindo uma gestante, na Zona Norte de São Paulo. 

Após discussão, cabo da Polícia Militar matou advogada e feriu mais duas pessoas da mesma família, incluindo uma gestante, na Zona Norte de São Paulo. O crime bárbaro ocorreu na noite deste domingo na altura do número 24 da Rua Manoel Lisboa de Moura, no Jardim Filhos das Terra, região do Jaçanã.

No local, houve uma discussão entre o cabo Gílson de Souza Teixeira, do Quinto Batalhão da PM, e Danilo da Silva. Em meio à briga, o policial, que estava de folga, sacou uma arma e passou a atirar contra o jovem e outros familiares que o acompanhavam.

Foram baleadas a advogada e farmacêutica Jurema Cristiane Bezerra da Silva, de 39 anos, mãe de Danilo, e a mulher dele, Gabriela Rocha Leite, de 18, que estava grávida de 6 meses.

Ambas foram levadas para o pronto-socorro do Hospital São Luiz Gonzaga, mas a advogada, atingida três vezes no peito, chegou morta.

Baleada na barriga, a nora dela foi submetida a uma cesariana, para retirada do bebê, uma menina, e ambas se encontram na UTI, em estado grave.

O adolescente Marcos Vinícius Bezerra da Silva, de 17 anos, irmão da advogada, foi atingido no braço, de raspão, sendo medicado e liberado.

Após os tiros, o policial fugiu, mas se apresentou, em seguida, na sede do Quinto Batalhão, onde trabalhava, quando recebeu voz de prisão. O cabo Gilson de Souza Teixeira foi encaminhado ao 73º Distrito Policial, do Jaçanã, e autuado em flagrante.

De acordo com o repórter Tiago Muniz, que também acompanha o caso, o Gilson Teixeira deve ser julgado pela Justiça Civil, comum, e não pela Justiça Militar, como geralmente ocorre com membros da PM.

Fonte: uol.com.br