Publicado em 18/04/2012 as 12:00am

Conselheira Ester reúne-se com Obama

Conselheira Ester reúne-se com Obama

A Conselheira Ester Sanches-Naeck, membro do Conselho de Representantes de Brasileiros no Exterior (CRBE), se reuniu com o presidente dos Estados Unidos, no dia 10. O encontro aconteceu durante um almoço na cidade de West Palm Beach, na Flórida e esta não é a primeira vez que a brasileira é recebida pelo chefe maior do país. Mas desta vez, segundo ela, a reunião foi muito mais proveitosa.

Ester fala que um dia antes do encontro, recebera um telefonema do governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, o qual lhe disse que para agradecer ao presidente pela iniciativa de abrir um consulado em Belo Horizonte. “Ele me pediu para falar em nome de todo o povo mineiro e demonstrar a felicidade pela instalação desta repartição consular”, disse.

Durante a reunião, Ester mostrou ao presidente cópias de documentos com assinaturas de algumas autoridades mineiras, entre elas três senadores, todos os deputados federais e estaduais e 300 prefeitos. “Todos agradeceram a Obama pelo apoio dado no sentido de instalar o consulado norte-americano em Minas”, explica.

Por telefone, a Conselheira conta que aproveitou a ocasião para reforçar o pedido de que o presidente trabalhe com dedicação em cima da reforma imigratória e acima de tudo, para os estudantes que são barrados nas universidades após concluírem a high school, pelo fato de serem indocumentados. “Temos que olhar com carinho para estas pessoas”, disse olhando nos olhos de Obama.

Quando o presidente ouviu o pedido de Ester, ele lamentou que mesmo sabendo das dificuldades não pode fazer muita coisa, pois a Reforma não depende apenas dele. Neste momento, a Conselheira perguntou se poderia dar uma sugestão e para sua surpresa, Obama cruzou os braços e disse: “Please!”

Ester sugeriu que os EUA cobrasse uma taxa entre U$5 a US$10 mil para legalizar os imigrantes e isso geraria uma receita bilionária para os cofres do país, além de gerar trabalho para advogados e outros profissionais. “A legalização também estimularia a venda de casas e carros, além do que isso significaria milhões de pessoas a mais gerando impostos e contribuindo com o Governo”, disse.

Obama disse que pensaria com carinho no assunto e sabe que para muitos imigrantes, os Estados Unidos transformou-se se na Pátria deles. “Por isso eu defendo que estas pessoas devem ser tratadas como um de nós”, respondeu o presidente, que ficou bastante empolgado com os comentários feitos pela Conselheira em relação ao que maioria dos brasileiros pensa sobre ele e seu governo.

Ainda, durante o bate-papo, o presidente disse que “se empenhará para que uma anistia aconteça o mais rápido possível”. Ao terminar a conversa, o presidente deu um autógrafo para Adbul, filho da Conselheira, que tem 12 anos de idade, quebrando o protocolo de segurança do Cerimonial.

Fonte: (DA REDAÇÃO)