Publicado em 16/07/2014 as 12:00am

Obama busca apoio dos governadores para crianças imigrantes

Sylvia Matthews Burwell tenta obter apoio dos líderes executivos para acolherem milhares de crianças imigrantes indocumentadas oriundas da América Central.

A Secretária de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (HHS, sigla em inglês), Sylvia Matthews Burwell, se reuniu com dezenas de governadores neste domingo, dia 13. O objetivo desta reunião foi obter apoio dos líderes executivos para acolherem milhares de crianças imigrantes indocumentadas oriundas da América Central. Elas chegam ao país, sozinha, através da fronteira com o México.

Os governadores apresentaram a preocupação sobre os custos que este acolhimento onerará aos cofres públicos, incluindo o fornecimento de educação para as crianças. "Os nossos cidadãos já se sentem sobrecarregados por todos os tipos de desafios. Eles não querem ver outro fardo entrar em seu estado", disse o governador de Colorado, o Democrata John Hickenlooper. "No entanto, lidar com estes tipos de aspectos humanitários deste é preciso faz da melhor maneira possível e com menor custo-benefício", continua.

Os governadores de Wisconsin, Scott Walker, de New Jersey, Chris Christie, e de Iowa, Terry Branstad, estavam entre os críticos republicanos mais ferrenhos.

Baseada na atual lei, as crianças que chegam aos Estados Unidos ilegalmente e sozinhas devem ser entregues ao HHS dentro de 72 horas. Depois, elas são entregues para os país ou responsáveis que já vivem nos EUA, enquanto aguardam por um Tribunal de Imigração que decidirá o seu futuro. O processo judicial pode levar anos.

A agência de imigração e nem os funcionários do HHS verificam o status de imigração dos pais ou responsáveis pela guarda da criança.

COMO TUDO COMEÇOU

Desde o dia 1º de outubro do ano passado, mais de 57 mil crianças cruzaram, sozinhas, a fronteira entre os Estados Unidos e México. A maioria é oriunda de Honduras, El Salvador e Guatemala. "Queremos ter certeza de que elas serão colocadas em uma casa onde terá todo apoio necessário", disse Branstad.

A preocupação é que se elas vão comparecer à audiência, pois segundo dados do Escritório Executivo do Departamento de Justiça que cuida de revisões imigratórias, cerca de um quarto dos imigrantes que enfrentam tribunais de deportações não aparecem como ordenado.

Fonte: Redação Brazilian Times