Publicado em 15/08/2014 as 12:00am

Brasileiros falam sobre morte de Eduardo Campos

O presidenciável Eduardo Campos, que disputaria as eleições pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) morreu na manhã de quarta-feira (13) vítima de um acidente aéreo.

O presidenciável Eduardo Campos, que disputaria as eleições pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) morreu na manhã de quarta-feira (13) vítima de um acidente aéreo. Ele estava na terceira posição, segundo recentes pesquisas, e alguns especialistas acreditam que assim que o período de campanha iniciar ele subiria de colocação.

Nos Estados Unidos, vários ativistas e líderes religiosos já declararam apoio ao candidato. Mesmo aqueles que não iriam votar nele, sabiam de sua competência e o respeitavam pela sua bela história política. A notícia da morte abalou muitas pessoas e parte da comunidade sentiu muito esta perda.

O presidente da Central do Trabalhador Imigrante nos EUA (CTIB/US), Márcio Porto, era um dos ativistas que iniciou uma campanha via rede social para angaria apoio para Eduardo Campos. Bastante emocionado, ele conversou com a equipe de reportagem do Brazilian Times e falou como recebeu a notícia e o que espera para o futuro político do Brasil.

Márcio afirmou que todos os membros da CTIB ficaram em estado de choque com esta morte prematura de um político que tinha tudo para se tornar uma das maiores lideranças brasileiras. “É difícil acreditar que o destino tenha reservado uma surpresa tão ingrata quanto esta, pois ele morreu no dia 13 de agosto e no mesmo dia há nove anos o seu avô, Miguel Arraes de Alencar, morria”, lembrou.

Para Márcio, Eduardo Campos se destacava pela sua inteligência, caráter, simplicidade e pela maneira nacionalista de ver o futuro do Brasil. “A CTIB foi a primeira entidade brasileira de cunho internacional a fechar, voluntariamente, apoio com a candidatura dele e de Marina Silva”, afirmou. “Fomos um dos primeiros a acreditar na bandeira de luta levantada pelo PSB”, continua. “Esperamos que Marina assuma a bandeira levantada por ele e de prosseguimento no projeto de transformar o Brasil em um país melhor para se viver”, conclui.

O pastor evangélico e candidato a Deputado Federal por Minas Gerais, Walter Mourisso, também mostrou a sua tristeza ao saber da notícia. “É lamentável e estamos tristes, pois perdemos um grande líder. Meu desejo é que Deus possa confortar a família que nessa hora deve estar sofrendo muito”, disse.

Mourisso ressalta que via Eduardo Campos como um dos mais promissores políticos brasileiros e o respeito que ele tinha em todas as classes sociais iria fazer dele um dos grandes nomes da política. “Tenho certeza de que se a sua vida não tivesse sido interrompida, ele logo se tornaria um grande representante do Brasil em todo o mundo”, acrescenta.

Outro que sentiu bastante foi o ativista e empresário Dario Galvão. O qual estava organizando uma visita de Eduardo Campos a Boston (Massachusetts). “O Brasil perde um dos seus mais talentosos políticos e basta fazer uma pesquisa na internet para ver o que ele fez de boom”, afirma.

Dario ressalta que neste momento não é hora de pensar no futuro das eleições presidenciais e sim se unir e orar pela família. “Temos que mostrar nosso lado humano e vencer a barreira das ideologias partidárias”, continua.

O assessor político Júlio Morais, que recentemente se reuniu com líderes do PSB em Brasília, lamentou a morte de Eduardo Campos e disse que o Brasil perdeu um político promitente, um idealista e uma pessoa cheia de projetos para transformar o país em um lugar melhor para as pessoas.

Durante a sua visita à Brasília, a convite do Deputado Federal Pastor Eurico, Julio visitou a sede do PSB, e pode comprovar o quanto a história deste partido é ligada à de Eduardo Campos. “Fiquei impressionado o quanto a sua liderança ajuda a moldar as ideias de uma legenda que hoje se tornou uma das mais importantes do país”, afirma.

Para Júlio, Eduardo Campos não deixa apenas lembranças e histórias, “mas um legado inspirador para futuras gerações de políticos no Brasil”.

O radialista e ativista Ilton Lisboa disse que recebeu a notícia com muita tristeza, pois tinha muita esperança de que Eduardo Campos fosse o homem que mudaria os rumos do Brasil. “Basta pesquisar a vida dele para vermos que ele tem uma vida política íntegra e um mandato de governador com alto nível de aprovação”, explica.

Ilton ressalta que Eduardo tinha um discurso que ia de encontro com os verdadeiros anseios da comunidade e “que era um nome novo e forte para concorrer à Presidência do Brasil”. O ativista destaca a trajetória do presidenciável que tem um ótimo histórico político. “Para mim, ele era a pessoa certa para comandar o Brasil”, continua. “Lamento não apenas pela morte dele, mas de todos que estavam na aeronave”, conclui.

A artista plástica Marina Lisita diz que todo brasileiro deveria sentir, pois o país perdeu um grande político e um líder em ascensão. “O nosso povo tinha esperanças de que ele conseguiria fazer um país melhor”, fala ressaltando que ficou em estado de choque quando soube da morte. “Fiquei muito triste pela família dele e por todo o nosso Brasil”, conclui.

Fonte: Redação Brazilian Times