Publicado em 10/10/2014 as 12:00am

Brasileiros comentam resultados das eleições presidenciais no Brasil

Com o término do primeiro turno, dia 5 de outubro, os candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) foram os eleitos para o segundo.

Com o término do primeiro turno, dia 5 de outubro, os candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) foram os eleitos para o segundo. Os dois já iniciaram a campanha e buscam os votos dos indecisos e de quem não votou. Nos Estados Unidos, alguns brasileiros ficaram surpresos pelo fato do peessedebista ter ficado na segunda posição, haja vista que todas as pesquisas apontavam Marina Silva (PSB) como a potencial adversário da atual presidente.

Em Massachusetts apenas 43% dos eleitores brasileiros compareceram às urnas, que foi montada no ginásio de esportes “Field House”, da Somerville High School, em Somerville. Deste total, Aécio teve 46,36% dos votos válidos e Marina Silva 36,20%. A candidata petista obteve apenas 13.92%. O segundo turno acontecerá no dia 26 de outubro e em Massachusetts será realizado no mesmo local.

Frilei Brass

O radialista Frilei Bras, disse que se surpreendeu com os resultados, pois as pesquisas apontavam uma disputa de segundo turno totalmente diferente. Para ele, a candidata Dilma Rousseff é a favorita, mas terá um trabalho duro pela frente para vencer. “O crescimento de Aécio mostrou que ele pode surpreender”, disse.

Mineiro de Central de Minas, ele sabe que os dois candidatos intensificarão a apresentação de projetos. “Caberão ao eleitor analisar as melhores propostas e escolher o candidato que melhor se identifique”, continua. Frilei acrescenta que “votar para presidente é uma maneira de manter a cidadania viva, mesmo morando longe do Brasil”.

LIDIA SOUZA

A ativista Lídia Souza disse que os resultados do primeiro turno mostrou que o eleitorado brasileiro está “fora do foco”, pois se deixou levar pelo feijão e arroz para decidir o voto. Para ela, o povo tem medo da mudança e perder as regalias de um projeto como o bolsa família e outros criados para angariar votos. “O próprio Lula disse, antes de se tornar presidente, que o PSDB conseguia o eleitor através da distribuição de alimentos. Hoje o PT faz a mesma coisa, só que mudou o nome do esquema”, explicou.

Natural do Rio de Janeiro, Lídia ressalta que os dois candidatos que foram para o segundo turno não possuem competência para o cargo, pois continuará a história dos partidos e empreiteiros mandatem nos governantes. “Felizmente nós moramos longe e não sofremos com a decisão de um eleitor que não sabe escolher. E viva a América”, conclui.

DARIO GALVAO

O Juiz de Paz e ativista Dario Galvão disse que também se surpreendeu com os resultados, pois além das pesquisas apontarem Marina como adversária de Dilma no segundo turno, o que mais se ouvia falar era da necessidade do povo brasileiro por mudanças. “Mas parece que este desejo não se refletiu nas eleições. Mas não devemos desistir do Brasil e vamos seguir em frente”, acrescenta.

Natural de Recife (Pernambuco), Dario explica que defendeu Marina no primeiro turno por ela ter a melhor proposta de governo e não estar ligada a nenhum esquema de corrupção. “Como eleitor, sei que devo fazer a minha e votar. Mesmo na falta de opção, decidi por Aécio Neves, pois o PT está no governo tanto tempo e não conseguiu mudar os rumos da nação”, afirma.

ADSON FERNANDES

O ativista político Adson Fernandes foi um defensor ferrenho do Partido dos Trabalhadores em Massachusetts. Ele explica que o PSDB em PT, obtiveram êxito na tentativa de desconstruir Marina Silva. “Mas eles foram ajudados pelas atitudes da própria Marina em não ser firme nas posições diante de temas polêmicos”, disse.

Para ele, quando se mistura religião e política, existe um grande risco no meio. “O PSDB. soube aproveitar o momento, até porque tem uma estrutura partidária praticamente em todos os municípios brasileiros, enquanto que o PSB não possui tal estrutura”, disse. “Aí sim foi uma luta de Davi e Golias, só que dessa vez deu a lógica e o gigante venceu”, continua.

Em relação ao segundo turno, o capixaba ressaltou que seu desejo é que os eleitores “enxerguem os avanços dos últimos 12 anos e que Aécio seja derrotado, como foi em Minas Gerais”.

JOAO ARRUDA

O presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas e Empreendedores dos Estados Unidos (CDLE/USA), João Arruda de Melo, também ficou surpreso com os resultados do primeiro turno. “Tudo indicava que o segundo turno seria disputado entre Dilma e Marina”, fala.

Para ele, o candidato Aécio Neves terá uma força maior, se Marina o apoiar. “Acredito que a confiança do eleitor peessedebista aumentou e que os petistas precisam abrir o olho”, fala acrescentando que três amigos que votaram em Dilma no primeiro turno, mudaram de opinião. “Isso porque, logo que o resultado foi divulgado, os petistas iniciaram ataques a Aécio e deixaram de lado a apresentação de propostas”, continua.

João Arruda também defende que o PT nada fez em 12 anos, pois os noticiários e histórias nas redes sociais, mostram um povo sofrido com a falta de saúde básica, postos de saúde com péssimo atendimento e falta de segurança nas ruas e em casa. “Afirmar que a pobreza acabou é fácil, pois o critério adotado foi de que quem ganha menos que R$ 80,00 é pobre e quem ganha mais não é considerado abaixo da linha da pobreza”, disse ressaltando que “é assim o PT afirma que erradicou a pobreza no Brasil. Mentiras”, disse.

Para confirmar as afirmações de João Arruda, é só acessar o site www.datafolha.com.br e procurar pelo termo “Brasil Emergente”. Neste documento podem ser vistos os critérios adotados pelo governo para taxar as classes sociais, inclusive afirma que quem ganha mais de R$ 2.728,00 é considerado “Alta Classe Alta”.


GIOVANNI

O mineiro de Pontal Giovanni Monteli, disse que o resultado das eleições mostrou que o eleitor brasileiro está ávido por mudanças. Para ele, o fato de não acontecer o que muitos esperavam, que era uma vitória do PT ainda no primeiro turno, deixou claro que o eleitorado quer pensar mais um pouco e quem sabe vai buscar uma mudança, depois de 10 anos de petistas governando o Brasil.

Ele, que trabalha como Kitchen Manager, o eleitor brasileiro está ficando mais inteligente e deixando de vender ou trocar o voto, pois estão percebendo que é este tipo de atitude que prejudica o Brasil. “Devemos votar conscientes e escolher as melhores propostas”, conclui.

ADILSON

Outro lado da moeda também se refletiu nestas eleições. Muitos brasileiros não compareceram às urnas devido à distância, mas uma grande maioria optou por não votar. Este foi o caso do fotógrafo Adilson Morais, que há muitos anos deixou de participar das eleições no Brasil.

Adilson deixou claro a sua revolta e, torno do mundo de corrupção que se instaurou no Brasil e não é feito nada para combatê-lo. “Eu não vou votar, mas prefiro que o Aécio ganhe, pois nunca houve tanta roubalheira no Brasil como agora, sem falar da violência que manda e desmanda em nosso povo”, continua.

Fonte: Da Redação do Brazilian Times | Texto de Luciano Sodré