Publicado em 21/11/2014 as 12:00am

Descaso no Itamaraty pode prejudicar legalização de brasileiros

Depois do cancelado dos consulados itinerantes em todos os Estados Unidos, o Itaramary reduziu a verba que destina para os órgãos diplomáticos no exterior.

Depois do cancelado dos consulados itinerantes em todos os Estados Unidos, o Itaramary reduziu a verba que destina para os órgãos diplomáticos no exterior. Isso tem gerado um grande caos no atendimento e prejudicado centenas de brasileiros. Isso porque está havendo uma demora no agendamento, e restrição no número de pessoas que são atendidas todos os dias.

Estas informações são de alguns escritórios que trabalham diretamente com os consulados em Massachusetts e em Connecticut. A equipe do jornal Brazilian Times conversou com dois despachantes que pediram para manter em sigilo os seus nomes. “Isso porque existe muita perseguição no Consulado e o órgão em CT quer eliminar os representantes de outros estados”, disse um deles.

Um despachante sediado em Somerville (MA) afirmou que o consulado em Hartford (CT) se tornou uma imagem dos órgãos públicos no Brasil, tal como o INSS. “Fiquei chocado quando cheguei lá e vi crianças e bebês de colo, no colo de seus país, enfrentando um tremendo frio, vento e neve, às 6:00 a.m.”, se revolta. “Estas pessoas chegam ao local muito cedo para não perder a oportunidade de regularizar seus documentos. Mas o consulado só abre às 9:00 a.m. e todos ficam 3 horas no frio, do lado de fora”, continua.

Outro ponto que os despachantes reclamam é que o sistema de agendamento online é bastante complicado, incompatível com os conhecimentos de informática de comunidade brasileira em Massachusetts. “Muitos de nós não sabemos usar direito um computador”, acrescenta.

Os problemas começaram em agosto, quando o Itamaraty anunciou cortes na verba destinada às embaixadas, consulados e missões brasileiras. Em Outubro, após o primeiro turno e a presidente Dilma Rousseff tendo perdido no exterior, o órgão cancelou por tempo indeterminado todos as sessões itinerantes. “Isso agravou ainda mais o atendimento dos consulados”, disse o despachante.

Com o corte na verba, funcionários com salário atrasados e a falta das sessões itinerantes, os consulados ficaram lotados. Isso obrigou alguns órgãos a impor regras que têm prejudicado muito a comunidade brasileira. Segundo o despachante de Somerville, o Consulado de Hartford foi o mais radical, “pois está tentando acabar com o atendimento para pessoas que vivem em Massachusetts, Rhode Island e New Jersey”.

Outro Despachante que também atende a comunidade de Massachusetts afirmou que o Consulado em Hartford para “esvaziar os órgãos consulares em New York e Boston”. Mas, segundo ele, quatro anos depois não é bem isso que está acontecendo. “Alguém em Hartford está tentando acabar com os despachantes de outros estados e restringiram nossos serviços. Antes fazíamos cerca de 45 passaportes a cada 15 dias e hoje podemos fazer apenas 10 por mês. São centenas de brasileiros prejudicados com esta atitude”, disse.

Além dos dois despachantes, outras pessoas ligaram para a redação do Brazilian Times alegando que não conseguem concluir um agendamento online, devido o sistema ser muito complexo e que está há meses querendo renovar o passaporte, mas não consegue. “O descaso é tamanho que um dos Consulados solicitou ao Itamaraty a liberação de US$46.00 que seriam destinados à compra de selos para os brasileiros que estão presos enviarem cartas aos seus parentes. Mas o órgão negou o pedido, alegando não ter a verba solicitada”, informou o despachante de Somerville.

Outro problema que ele aponta é que os brasileiros que estão nas cadeias podem permanecer por anos, pois para serem deportados é preciso que o consulado visite o local e emita um documento. “Mas em alguns presídios faz três anos que não recebem a visita de um representante do órgão consular”, acrescenta. “O pior é que nem por telefone conseguimos falar com algum funcionário”, finaliza.

A redação tentou entrar em contato com os consulados de Boston e Hartford, mas não obteve êxito.


LEGALIZAÇÃO

Outra preocupação dos despachantes é que com o anúncio da ordem executiva de Obama, que abre caminho para “legalizar” milhões de imigrantes, o consulado poderá ficar mais lotado ainda. Isso porque os brasileiros vão precisar renovar passaportes, obter certidões de nascimento, casamento e outros documentos que poderão ser exigidos para a aplicação.

Mas o fato dos órgãos terem limitado o número de atendimento, poderá ser o maior vilão no processo de legalização de alguns brasileiros. “Já pensou se uma pessoa não consegue a documentação no tempo hábil?”, indaga o despachante de Somerville.

Fonte: Da Redação