Publicado em 13/03/2015 as 12:00am

Gov. Chris Christie declara apoio a programa para imigrantes

Depois de muita hesitação, Chris Christie fala sobre imigração em seu estado

Um dos poucos assuntos discutidos pelo governador de New Jersey, Chris Christie, é a imigração ilegal e pontos ligados à ela. Mas depois de muito relutar, ele comentou o assunto e se declarou favorável ao programa para Trabalhador Temporário. O seu posicionamento se deu depois que ele se declarou sobre o assunto.

A posição aconteceu quando ele foi indagada pelo moderador Bruce Rastetter, do Encontro Iowa Ag. A pergunta era o que ele pensava sobre a imigração, haja vista que 80% dos trabalhadores na produção e processamento do leite são imigrantes. “A incerteza criada pelos nossos líderes nacionais está prejudicando a nossa economia. Eu apoio um programa de trabalhadores temporários”, disse.

Para o governador, “é preciso haver um programa para trabalhadores temporários, legal e confiável”. Um recente estudo desenvolvido pelo Pew Hispanic Center mostrou que New Jersey é o terceiro estado com a maior concentração de trabalhadores indocumentados.

Durante o encontro, o governador aproveitou a oportunidade para atacar o presidente Obama e afirmar que lhe falta experiência executiva para administrar a Casa Branca. Enquanto milhões de imigrantes indocumentados se preparam para aplicar para as ordens executivas do Presidente Barack Obama na imigração, muitos deles enfrentam vários problemas: Desde a falta de informação ao medo de sair das sombras. A expectativa e a tentativa dos legisladores republicanos de sabotarem o programa são suficientes para deixar os imigrantes nervosos, portanto, alguns ativistas comunitários decidiram se mobilizar e convencer os indocumentados que é seguro aplicar e se beneficiar das ações.

“As ações civis e os projetos de lei visam parcialmente assustar os imigrantes e também promover a política ‘somente a deportação’ do Partido Republicano”, disse o Deputado Luís Gutierrez (D-Ill.). “A lei está claramente ao lado do presidente, portanto, acho que os tribunais concordarão”.

No dia 20 de novembro de 2014, Obama anunciou a assinatura das ordens executivas que permite a até 5 milhões de indocumentados permanecerem nos EUA e trabalharem legalmente, focando nas pessoas que chegaram ao país ainda na infância e os pais indocumentados de cidadãos norte-americanos. Os republicanos alegam que tais ações são inconstitucionais e representam um abuso do poder executivo de Obama, portanto, tentando bloqueá-las. No início de janeiro, a Câmara dos Deputados aprovou uma proposta que visa anular as ordens executivas do presidente. Uma emenda da proposta orçamentária do Departamento de Segurança Interna (DHS) visa controlar a distribuição de verba no órgão. “Como um juiz federal, ele tem o poder de tornar o processo mais lento, mas ele não será o último árbitro que decidirá a legalidade das ações do presidente”, disse Fitz. “Nós estamos extremamente confiantes que no final do processo judicial essas ações serão consideradas constitucionais e, portanto, entrarão em vigor”.

Os ativistas estão mobilizados e tentando fazer com que os imigrantes estejam prontos tão logo o processo comece. Eles avaliam que, quanto mais pessoas aplicarem, mais difícil será suspendê-lo. O antigo promotor público do Texas e agora governador republicano, Greg Abbott, disse em dezembro do ano passado, quando anunciava a ação judicial dos estados contra Obama, que “será difícil ou impossível de desfazer o desgoverno de Obama,  depois que os imigrantes forem beneficiados pelas ações diferidas”.

Fonte: Da Redação