Publicado em 20/04/2015 as 12:00am

Dois democratas decidirão disputa com Hillary para 2016

Ex-governador de Maryland Martin O'Malley e o ex-senador Jim Webb poderão disputar eleições com Hillary Clinton

Dois possíveis rivais de Hillary Clinton nas primárias democratas de 2016 afirmaram neste domingo que decidirão em breve se concorrem à vaga democrata para a eleição à presidência dos Estados Unidos, ao tempo que os aspirantes republicanos afiavam os dardos contra a ex-secretaria de Estado durante uma reunião conservadora.

O ex-governador de Maryland, Martin O'Malley, disse que decidirá antes do fim de maio se aspira à candidatura democrata à presidência em 2016; e o ex-senador Jim Webb garantiu que está "estudando muito a sério" a possibilidade de concorrer nas primárias do partido.

Ambos quiseram deixar claras suas credenciais para venceu a pré-candidatura democrata de Clinton, que anunciou há uma semana sua campanha presidencial e que por enquanto não conta com rivais dentro de seu partido.

O'Malley opinou que "haveria uma extrema pobreza se não houvesse mais de uma pessoa querendo disputar a indicação do partido democrata à presidência", durante uma entrevista à emissora "CBS News".

"Eu tenho 15 anos de experiência executiva, como prefeito de uma grande cidade (Baltimore) e como governador. E acho que tenho as ideias que ajudarão nosso país a avançar para um tempo no qual nossa economia verdadeiramente funciona para todos nós de novo, em vez que os salários mingarem", indicou.

Perguntado se poderia ser melhor presidente que Hillary, O'Malley se limitou a indicar que levaria à Casa Branca sua "experiência" de "sete anos como prefeito de Baltimore e oito como governador de Maryland", cargo que deixou no início deste ano.

O ex-governador, de 52 anos, pertence à ala mais progressista dos democratas, que não está tão convencida com a candidatura de Clinton, mais apegada ao aparelho político do partido. Webb, que já formou um comitê de exploração para uma possível candidatura à presidência, disse à emissora "CNN" que está "estudando muito a sério" se apresentar.

"Acho que temos muita fadiga de gente que já esteve no poder neste país, e as pessoas estão buscando enfoques frescos para resolver os problemas", afirmou o que ex-senador pela Virgínia entre 2007 e 2013.

Webb admitiu que nunca terá "uma máquina financeira que possa arrecadar US$ 2,5 bilhões" para sua campanha, em aparente referência a Hillary, mas conta com "experiência nos assuntos do governo e fortes convicções sobre para onde o país deve ir ".

No terreno republicano também se esperam mais anúncios em breve: o senador republicano Lindsey Graham disse hoje à emissora "Fox News" que está "91 % seguro" que entrará na corrida à Casa Branca, enquanto o ex-governador do Arkansas, Mike Huckabee, afirmou na sexta-feira que anunciará sua decisão em 5 de maio.

Entre os republicanos há interesse de sobra para chegar à Casa Branca em 2016, como demonstraram os 19 aspirantes que se reuniram neste fim de semana para discursar para ativistas do partido no estado-chave de New Hampshire.

A maioria centrou os ataques em HIllary, mas muitos os misturaram com críticas ao atual presidente, Barack Obama, como Graham, que afirmou que escolher a ex-secretária de Estado seria como dar um "terceiro mandato" ao líder democrata.

Hillary chegará nesta segunda-feira a New Hampshire para continuar sua campanha, após passar na semana passada em outro estado-chave, Iowa.


Fonte: Terra.com.br