Publicado em 13/08/2014 as 12:00am

Mineira busca tratamento contra o câncer nos EUA

A mineira de Belo Horizonte, Priscila Vila Real Macedo, 31 anos, há pouco mais de um ano descobriu em sua boca um raríssimo câncer, o Rabdomiossarcoma Alveolar de Alto Grau.

A mineira de Belo Horizonte, Priscila Vila Real Macedo, 31 anos, há pouco mais de um ano descobriu em sua boca um raríssimo câncer, o Rabdomiossarcoma Alveolar de Alto Grau. Desde então, a sua vida sofreu uma reviravolta.

Ela é mãe de três filhos e passou por diversos tipos de tratamento, mas a doença avançou. Priscila passou por uma cirurgia no ano passado, mas os médicos não conseguiram tirar o tumor. Foi então que a mineira iniciou uma campanha para conseguir viajar para Houston, no Texas, e ser tratada no MD Anderson Cancer Center.

Segundo ela, que conversou com a redação do jornal Brazilian Times, os custos deste tratamento mais a viagem é de R$ 100.000,00. “Lá é considerado um dos melhores hospitais do mundo quando o assunto é combate ao câncer”, explica.

Para levantar a quantia, ela abriu uma página no Facebook com o nome de “Vamos Salvar a Priscila” que tem por objetivo arrecadar o valor total para o tratamento e despesas de viagem. “Graças a Deus já consegui cerca de R$ 63.000,00”, disse.

Priscila disse que ainda não sabe onde ficará quando chegar à Houston, mas alguns amigas estão procurando acomodações que fiquem mais barata. “Tem pessoas que conhecem moradores na cidade e vão ver se eles têm um quarto a disposição”, explica ressaltando que se não conseguir, ela terá que alugar um apartamento ou quatro em hotel próximo ao hospital.

Ela conta que ficou sabendo do hospital através de um casal de amigos fluente em inglês e que realizou várias pesquisas na internet sobre o assunto. “Depois de várias buscas, os dois encontraram o hospital e entraram em contato com um conhecido na cidade atrás de mais informações”, fala ressaltando que depois ligaram para a direção do hospital para contar a história.

Depois de contatado, o hospital enviou um formulário para que o médico da mineira no Brasil preenchesse e enviasse de volta. Só assim ela poderia ser aceita como paciente e o tratamento vai ser marcado somente depois que o depósito de R$ 100 mil for feito na conta do hospital. “Com este valor eu terei direito à consulta, a um novo diagnóstico e ao tratamento que o médico indicará”, acrescenta. “Não sei quanto tempo terei que ficar”, conclui.

Fonte: Redação Brazilian Times